Produtos na Black Friday: um checklist para a sua loja digital

O ShopSulMG quer ajudar você a vender mais na Black Friday. Por isso, estamos elaborando checklists estratégicos para que você não deixa nada passar! Já temos uma lista de aspectos tecnológicos que você precisa considerar no seu site.

E aqui, vamos conversar sobre o seu produto! Independentemente do que você vende, há sete itens fundamentais relacionados ao produto que sua loja online deve atender para vender bem na Black Friday.

1. Apresentação

Se seu produto não despertar o interesse do público, ele não será vendido! Por isso, o primeiro item do nosso checklist de produto para a Black Friday é a apresentação. Vamos começar com algumas perguntas importantes. Suas respostas vão ajudar você a elaborar boas apresentações!

  • Como você enxerga seu produto?
  • Como você gostaria que seu público enxergasse seu produto?
  • O que seu produto representa?

O objetivo dessas perguntas é ajudar você a sair do óbvio: por mais simples que seu produto seja, ele tem algum diferencial. E sua apresentação precisa partir desse diferencial.

Agora, partindo para uma parte mais objetiva e prática, a forma como um produto é apresentado ao público depende basicamente de fotos e descrições. Vamos conversar sobre isso?

2. Fotos

Para vender qualquer produto pela internet, as fotos são indispensáveis. Desde roupas até produtos eletrônicos, todos nós temos a necessidade de ver aquilo que pretendemos comprar.

Mas simplesmente ver o produto não é suficiente. Estamos cada vez mais acostumados a imagens glamourizadas que contam as histórias daquilo que desejamos comprar.

E é aí que entram as respostas daquelas perguntas. Além de produzir fotos de qualidade, use a criatividade para contar histórias por meio das fotos dos seus produtos!

A foto deve ser mais do que um recurso informativo, ela pode ser o fator de convencimento.

Por fim, lembre-se de que fotos com qualidade e criatividade podem ser produzidas de forma mais simples, caso seu negócio ainda não tenha recursos suficientes para contratar profissionais, modelos, softwares e equipamentos.

Um bom smartphone, uma luz natural, um fundo neutro e alguns amigos dispostos a ajudar podem ser o que você precisa para começar do jeito certo.

3. Descrição

Tire todas as dúvidas do seu público antes mesmo delas surgirem! A descrição dos seus produtos deve ser detalhada e verdadeira. Esses são os maiores princípios da apresentação do produto.

Muitos consumidores esperam a Black Friday para comprar produtos que já estavam em suas listas de desejos. Saiba que muitos procuram por coisas específicas e uma descrição superficial demais vai afastar esses consumidores.

Informe e convença – nessa ordem!

4. Divulgação

Como é o primeiro contato do público com o seu produto? A apresentação do que você vende não começa em sua loja online, mas sim na divulgação e no marketing que você faz.

Então, aplique essas duas dicas na divulgação dos seus produtos também! Faça das suas redes sociais uma primeira vitrine.

5. Preço

O fator mais importante para os consumidores da Black Friday é, sem dúvidas, o preço! E neste aspecto planejamento é fundamental! Para que o sua loja online atinja o equilíbrio entre uma boa promoção para o seu cliente e uma boa margem de lucro para você, nós vamos falar sobre esses dois temas.

6. Promoção

Já ouviu falar em “Black Fraude” ou na “metade do dobro do preço”? Falsos descontos podem dar mais prejuízo do que lucro para a sua loja virtual.

Buscadores de preços, pesquisas na internet e outras ferramentas digitais são os maiores aliados do novo consumidor digital. Descobrir que uma loja está oferecendo descontos falsos não é difícil.

Por isso, planeje seus descontos com cuidado para que, de fato, eles ofereçam alguma vantagem para o seu cliente. Lembre-se de que diminuir o valor de um produto não é a única forma de promoção.

Você pode:

  • Montar kits com mais de um produto e oferecê-los por um preço menor;
  • Oferecer frete grátis;
  • Oferecer descontos progressivos em que a cada produto a mais que o cliente compra, maior o desconto.

7. Lucro

A grande preocupação do lojista ao oferecer descontos é sua margem de lucro. Mas você sabe a maneira certa de calcular a margem de lucro do um produto? O cálculo errado pode acabar com a sua Black Friday.

Normalmente, você pensa em quanto quer lucrar a partir do preço de custo do produto, certo? Errado! A porcentagem que você incrementa ao preço de custo de um produto não é a mesma porcentagem que você vai lucrar. Entenda como acontece.

Markup X Margem de Lucro

A remarcação do valor de um produto é chamada de markup. Assim, se o preço de custo do seu produto (seja para revender ou de fabricação própria) é R$100,00 e você vai vendê-lo a R$130,00, o markup é de 30% e o valor do markup é R$30,00.

Mas isso não significa que sua margem de lucro é de 30%. O lucro, neste caso, é de 30%, mas a margem de lucro é calculada da seguinte forma:

MARGEM DE LUCRO = LUCRO BRUTO / RECEITA TOTAL

Margem de lucro: por valor percentual obtido da relação entre o lucro bruto e a receita total Lucro bruto: receita total – valor de custo Receita total: valor de custo + valor do markup

Assim, no exemplo anterior, a margem de lucro seria de 23% (30/130). Cuidado para não confundir markup e margem de lucro. Isso pode custar caro.

Garanta que todos os produtos da sua Black Friday atendam a estes sete aspectos e boas vendas!

Reabertura do comércio e a necessidade de uma estratégia de vendas multicanal

Desde maio, algumas cidades brasileiras estão flexibilizando o isolamento social e se preparando para a reabertura do comércio. Empreendedores de todos os segmentos aguardam ansiosamente o momento de abrir as portas de suas lojas físicas.

Mas especialistas apontam que uma das tendências do comércio após a pandemia é a permanência do digital e a adoção de estratégias de venda multicanal.

Isso significa que mesmo com a possibilidade de voltar ao mundo físico, a relevância do digital no comércio e no varejo vai permanecer. Essa tendência, impõe ao empreendedor a necessidade de estabelecer uma estratégia de venda omnichannel. Mas o que é e como aplicá-la no seu negócio?

O que é multicanal?

Não é de hoje que a internet tem transformado a forma como consumimos: o comportamento do consumidor é cada vez mais multicanal. Ou seja, seu público e clientes estão em vários canais de comunicação digital, buscam informações sobre o que querem comprar em todos eles e também procuram lojas físicas para tomar sua decisão de compra.

Quando falamos em estratégias de venda omnichannel, é a experiência do seu cliente que está em pauta. O caráter multicanal dessa estratégia tem o objetivo de proporcionar uma experiência de consumo completa.

Em termos práticos, estamos falando de presença, visibilidade e atendimento. Uma estratégia de venda multicanal oferece facilidades ao consumidor: sua marca está presente em diferentes canais (físicos e digitais), é vista nesses canais e oferece um atendimento de qualidade por meio de todos eles.

É claro que a visibilidade do seu negócio será proporcional a seu porte. Não é necessário, e nem possível, que sua empresa esteja presente e ativa em todas as redes sociais, canais de venda online, além dos espaços físicos.

Por isso, entender como seu público se comporta é fundamental. Além de conhecer bem seu negócio, seu produto e as possibilidades de investimento que você tem. Assim, você consegue traçar estratégias mais assertivas.

Como aplicar a estratégia multicanal?

A reabertura do comércio coloca no centro a necessidade de manter uma estratégia de venda tradicional aliada ao comércio digital. Empreendedores que dependiam de sua loja física tiveram seus negócios extremamente prejudicados. Muitos lojistas buscaram às pressas a digitalização e aprenderam a vender pela internet em tempo recorde para salvar seu negócio. Já os empreendedores que nasceram no digital, tiveram uma experiência completamente diferente.

Mas e agora? Bom, se antes de 2020, a adaptação ao mundo virtual era uma possibilidade, agora é uma necessidade. Especialistas no varejo acreditam que essa digitalização em massa é um caminho sem volta.

Fique atento a três dicas essenciais de como você, que começou a vender online na quarentena, deve aplicar uma estratégia omnichannel:

1. Planeje a reabertura da sua loja física

Leve à sério as recomendações de higiene e segurança. Lembre-se de que a experiência do cliente é importante em todos os aspectos.

Se necessário, reestruture sua loja de acordo com os novos hábitos que todos nós adquirimos nesse tempo. Abra espaços para que as pessoas possam ficar afastadas, ofereça formas inovadoras de testar os produtos e dê preferência a meios de pagamento sem contato.

2. Não abandone sua operação digital

Se suas vendas acontecem majoritariamente na loja física, você naturalmente deve gastar mais tempo e dinheiro nessa frente. Mas mantenha parte dos seus investimentos nas vendas online e procure atender seus clientes por todos os canais onde seu negócio está presente.

Você provavelmente ganhou novos clientes só porque começou uma operação digital. Isso significa que você vai perdê-los se abandonar seu comércio online. Cuide dessa frente para que o seu negócio acompanhe as tendências do consumidor e do mundo.

3. Faça investimentos a longo prazo

Com a reabertura do comércio e o provável aumento nas vendas, você não vai precisar vender pela internet como solução de emergência.

Assim, trace um plano estratégico para melhorar a experiência dos seus clientes no mundo digital: reveja seu modelo de negócio, os meios de pagamento que você oferece, avalie a logística e a entrega dos produtos e repense o atendimento ao cliente.

Informe-se ainda mais sobre marketing e estratégias de venda na internet, busque aprimorar o relacionamento com os clientes pelo WhatsApp Business e pelo Instagram e alimente seus canais digitais com frequência e concistência.

Por fim, lembre-se de que para o consumidor atual, não há distinção entre loja física, virtual, redes sociais, televendas etc. O que conta é a experiência e o relacionamento que ele estabelece com a sua marca (em qualquer ambiente). Invista na presença, na visibilidade e no atendimento do seu negócio.

Boas vendas!

O comportamento do consumidor na era digital e porquê digitalizar sua loja

Nesse momento tão delicado que estamos vivendo, a digitalização deixa de ser uma atualização de negócio e aparece como uma necessidade. Para muitos, vender pela internet é, agora, uma solução emergencial e provisória para lidar com a baixa nas vendas e manter o negócio em atividade até que as coisas voltem ao normal.

Mas esse esforço por uma rápida digitalização deve ser apenas o primeiro passo para uma transformação digital mais completa, afinal, o comportamento do consumidor é cada vez mais digital e multicanal. Vamos ajudar você a entender mais sobre a jornada de compra desse consumidor para que você tenha insights de como e por que o seu negócio deve digitalizar.

O consumidor digital

Os dados de uma pesquisa do Google sobre o comportamento do consumidor mostram como a internet tem transformado a forma como as pessoas tomam suas decisões de compra.

A pesquisa deixa claro que a grande tendência do consumidor atual é traçar uma jornada de compra omnichannel. Isso significa que seus clientes estão em vários canais de comunicação digital e buscam informações sobre o que querem comprar em todos eles.

Por isso, a presença do seu negócio em diferentes canais digitais é tão importante. É claro que isso será proporcional ao porte do seu negócio. Não é necessário, e nem possível, que sua empresa esteja presente e ativa em todas as redes sociais e canais de comunicação online. O importante é que você saiba quem é o seu público, como ele se comporta e em quais canais ele busca informações sobre o serviço ou produto que você oferece. Assim, você consegue traçar estratégias de comunicação concentradas e mais assertivas.

A interação entre o digital e o físico

Outra informação interessante sobre esse comportamento de compra é a interação entre o online e o offline. De acordo com o Google, 83% dos entrevistados que visitaram uma loja na semana anterior à pesquisa, fizeram uma busca online sobre o produto desejado. Ou seja, mesmo quem compra em lojas físicas, usa os canais digitais para decidir sobre sua compra. Então, mesmo que seu principal canal de venda seja um estabelecimento, é importante que seu produto e sua marca estejam na internet de alguma forma.

 

Loja Samsung
Inauguração da Samsung Experience Store em Nova Iorque. Foto: Site Samsung US

 

Uma loja da Samsung é um ótimo exemplo dessa interação online e offline. A loja oficial da marca funciona como uma vitrine no produto. O consumidor que deseja comprar um celular vai até a loja e fica por mais de uma hora testando cada modelo, comparando tamanho, toque, peso etc. Depois de se decidir ele sai da loja e faz a compra pela internet.

Esse comportamento já não é novidade e é interessante notar a importância dos dois canais, físico e digital. De fato, o cliente não finalizou a compra na loja, mas a experiência que teve foi fundamental para sua decisão.

A facilidade de encontrar na internet o que se procura é outro fator que coloca a venda online na frente. Na pesquisa do Google, 66% dos entrevistados disseram que preferem fazer compras online porque, assim, encontram com facilidade os itens que procuram.

Além da facilidade de encontrar os produtos desejados, a internet oferece um benefício que 59% dos entrevistados apreciam: recomendações úteis e sugestões sobre o que comprar. Comentários, resenhas, críticas e opiniões sobre produtos são buscas frequentes na internet.

Um outra pesquisa¹ afirmou que 85% dos consumidores analisam, com frequência, avaliações de outras pessoas na internet antes de realizar uma compra. Ter depoimentos positivos sobre seus produtos em alguma rede social pode fazer toda a diferença.

Digitalizar o seu negócio não significa sumir do mundo físico

Por fim, queremos propor uma analogia: pense nas pizzarias da sua cidade. Existem algumas que não fazem entregas, você precisa ir até lá se quiser comer. Outras, atendem apenas por delivery. Mas há pizzarias que oferecem as duas opções aos clientes.

O mesmo se aplica quando falamos de digitalização. O objetivo de todo esse processo não é acabar com sua loja física! O digital pode ser apenas uma extensão do seu negócio. Assim como uma pizzaria pode conquistar novos clientes oferecendo a opção de delivery, você pode descobrir novas oportunidades ao colocar o seu negócio no mundo da internet. Como observamos nas pesquisas citadas, os dois universos estão sempre conectados: o que você faz no digital tem impactos no físico e vice e versa, assim, um complementa o outro para que a sua empresa gere cada vez mais e melhores resultados!

Entender como as pessoas compram é fundamental para traçar as estratégias de venda do seu negócio. E estar presente na internet é essencial para a grande maioria dos empreendedores. Por isso, faça desse momento repentino de digitalização uma transformação de longo prazo que traga bons e novos resultados para o seu negócio!

Como vender pelo Instagram: três estratégias básicas

O Instagram foi criado em 2010 e dois anos depois foi comprado pelo Facebook. Hoje, é a quarta rede social mais usada no Brasil, com 66 milhões de usuários. Ao redor do mundo, o Instagram tem mais de 2 bilhões de usuários.

De acordo com a própria plataforma, 90% das contas seguem pelo menos uma empresa na rede social. Uma pesquisa da Socialbakers, empresa de análise e desempenho de marketing digital, mostrou que apesar de perder para o Facebook em número de usuários, o Instagram é a rede social com maior engajamento, em especial quando se trata de marcas. Isso significa que seu negócio pode encontrar no Instagram mais oportunidades de geração de valor em termos de escalabilidade e interação com o público.

Mas, para que isso aconteça e você comece a vender por meio do Instagram, algumas estratégias básicas são indispensáveis. E, para que elas funcionem, seu negócio precisa de uma conta comercial. Para entender como criar sua conta profissional e ver estratégias de venda no Instagram, continue lendo!

Como e porquê criar uma conta comercial?

Se você usa as redes sociais para promover e vender produtos ou serviços, criar contas profissionais é indispensável. Isso vale para qualquer plataforma que ofereça essa possibilidade, como o WhatsApp Business.

No caso do Instagram, só com uma conta comercial você têm acesso a dados como impressões, alcance e engajamento das suas publicações, além de análises que mostram quem são seus seguidores (gênero, idade, localização e horário e dias em que mais acessam).

Essas informações são muito importantes para conhecer o público e mantê-lo interessado no que você tem a oferecer, então, se você ainda usa um perfil pessoal para promover seu negócio, é hora de mudar!

O primeiro passo é transformar sua conta pessoal em comercial. Basta acessar o menu que fica no canto superior direito do aplicativo. Em seguida, Configurações, Conta e, finalmente Mudar para conta profissional. A seguir, será necessário vincular sua conta comercial a uma página do Facebook. O aplicativo vai dar a opção de criar uma nova página, caso você ainda não tenha. Se você já tem uma fanpage, o Instagram vai pedir que você confirme a vinculação. Por fim, você vai precisar confirmar o endereço de e-mail que deve ser associado a sua nova conta comercial do Instagram. Com sua fanpage e conta comercial do Instagram associadas, as informações básicas do seu negócio vão ser automaticamente preenchidas na hora da criação da conta. Mas você deve conferir e editar caso seja necessário. Capriche na foto de perfil, usando o logo da sua empresa ou uma boa foto de produto. Na descrição, a famosa bio do Instagram, ofereça informações básicas: o nome da empresa e o que ela oferece. Caso você tenha um site, acrescente também.

Três estratégias para vender pelo Instagram

O Instagram do seu negócio pode ser um dos primeiros contatos do seu público com o serviço ou produto que você oferece. Por isso, é muito importante investir tempo, pessoal e recursos nessa plataforma.

Para traçar estratégias inteligentes no Instagram, vamos partir de pilares básicos. Um Instagram comercial precisa ser: um canal de informação, uma vitrine de produtos, um meio de interação com o público e um canal de vendas. Com essas características em mente, veja como aplicar estratégias práticas no seu Instagram comercial.

1. Publique conteúdo relevante

Pesquisas sobre o comportamento do consumidor digital afirmam que usuários da internet procuram informações sobre serviços e produtos desejados em vários canais de comunicação, inclusive nas redes sociais.

Pensando nisso, seu Instagram comercial deve oferecer informações relevantes sobre seu produto, serviço, segmento e curiosidades associadas ao seu negócio. Divulgar apenas o produto não é suficiente, os consumidores estão em busca de conhecimento a respeito do que querem comprar.

Assim, se você é um professor de pilates, por exemplo, além de falar sobre valores e horários de aula disponíveis, você deve fazer publicações sobre seu método de trabalho, os benefícios da atividade física, as particularidades do pilates etc.

O mesmo se aplica para uma pequena empresa de confeitaria, por exemplo. Se você vende bolos de aniversário pela internet, pode falar sobre a matéria prima que utiliza, mostrar o processo de criação de um bolo, explicar porque algumas frutas combinam com chocolate e outras não, sugerir cardápio para festas infantis e por aí vai.

Assim, você cativa novos seguidores pelo conteúdo que publica, mostra o quanto entende daquele segmento ou produto e ganha a confiança de possíveis clientes.

2. Apresente seus produtos

Além de um bom canal de informações e conteúdos relacionados ao seu negócio, seu Instagram precisa ser uma vitrine virtual. É muito importante que os usuários da rede social encontrem com facilidade exemplares do produto que você vende ou demonstrações do serviço que você oferece.

Por isso, capriche nas imagens! Não é necessário ter uma câmera profissional ou ser um fotógrafo. Com um bom celular, iluminação e um cenário clean, você consegue ótimas fotos e vídeos.

Vamos voltar aos nossos exemplos. Use os recursos de filmagem rápida (hyperlapse) para registrar uma sequência de exercícios de pilates no seu estúdio ou o todo o processo de confecção de um bolo de aniversário. Fotografe clientes satisfeitos, produtos encomendados e cada exemplar feito, assim você terá um catálogo de produtos no seu Instagram.

3. Interaja com seus seguidores

Não é a toa que se chama rede social. O Instagram oferece vários recursos para interação entre os usuários da plataforma e empresas devem usar isso a seu favor. Publique fotos em carrossel, vídeos de boa qualidade, use o recurso de enquete nas histórias, fomente a interação nas legendas, faça sorteios de produtos.

As análises disponibilizadas pela plataforma podem ajudar você a construir um bom relacionamento com seu público. Verifique como é a maioria dos seus seguidores e desenvolva uma abordagem que tenha a ver com esse perfil.

Outro ponto importante na hora de interagir com seus seguidores é responder dúvidas. Verifique frequentemente a caixa de mensagens diretas e os comentários nas suas publicações. Se algum seguidor tem dúvidas sobre o serviço ou produto, responda o quanto antes com carisma e objetividade.

Como funciona a implementação de uma solução de BI em finanças?

Uma solução de BI faz mais do que só coletar e processar um volume grande de dados. Por meio dele, é permitido aos gestores otimizar processos e formular estratégias que consigam ajudar a empresa a sobressair no mercado.

Por influenciar diretamente nos resultados das organizações, as fases da implementação devem ser todas realizadas com zelo. Saber quais os critérios para sua utilização, o que a ferramenta BI pode fazer pelos seus negócios, quais áreas da organização estão carecendo de cuidados. Todas essas questões precisam estar esclarecidas antes de escolher a ferramenta.

Na área de finanças, os profissionais utilizam dos dados coletados para auxiliar na tomada de decisões, ajudar as empresas a diminuírem custos e aumentarem a sua rentabilidade.

Se você não sabe o que é necessário para implementar uma solução de BI para a área de finanças e nem quais os benefícios da ferramenta, descubra isso e muito mais lendo esse post!

Critérios para a implementação

Antes da implementação de uma ferramenta de BI, é importante que os gestores tenham esclarecido quais critérios os levaram a optar pela ferramenta. Entre os principais estão:

1) ESCLARECIMENTO DOS OBJETIVOS

Definir os objetivos, e saber no que um sistema de BI vai ajudar nos negócios é o primeiro passo. Essa é uma etapa extremamente importante, pois esse esclarecimento auxilia os profissionais a compreenderem quais áreas da empresa estão carecendo de atenção.

Identificar os problemas possibilita direcionar melhor as estratégias, o que contribui para o desenvolvimento de processos e na resolução de adversidades.

2) SELEÇÃO DA EQUIPE

Uma equipe capacitada e experiente faz toda a diferença. No caso dos profissionais não conseguirem ou não saberem explorar a ferramenta direito, a organização pode acabar tendo de arcar com prejuízos que podem ir da perda de dinheiro, perda de oportunidades ou até mesmo desvalorização da marca.

3) QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS

A forma mais eficiente de montar uma equipe qualificada é por meio de treinamentos e cursos de capacitação. Além disso ao engajar o seu time, eles passam a ter maior facilidade para compreender informações e produzir relatórios mais consistentes e seguros.

4) ESCOLHA A SOLUÇÃO CERTA DE BI

Uma ferramenta inovadora de Business Intelligence é capaz de organizar e criar relatórios personalizados e dashboards dinâmicos para explorar um volume grande de dados. Por meio das informações coletadas, os gestores conseguem encontrar insights significativos, que corroboram para decisões mais certeiras e livre de falhas.

Business Intelligence e a área financeira

Em vez de desperdiçar horas na elaboração de relatórios e coleta de dados, os profissionais de finanças podem usar o BI para focar no que realmente é importante: análise das informações. Além disso, otimizando o processo produtivo, os gestores conseguem direcionar estratégias ao mesmo tempo que orientam outros departamentos.

Como os dados manuais são suscetíveis a erros, a área financeira pode utilizar do BI para apontar dados mais concisos e exatos sobre os lucros. Com a ferramenta, as equipes conseguem identificar quais produtos e serviços estão agregando valor para os negócios, trazendo rentabilidade.

Não só isso, o business intelligence permite realizar a verificação de todos os processos que estão funcionando e daqueles que ainda precisam ser revisados. O gestor pode sugerir, por exemplo, novos investimentos baseando-se nos dados extraídos dos painéis de indicadores e dashboards.

A solução permite também que seja realizada uma comparação entre os resultados obtidos no período com os coletados no ano anterior. Esse tipo de informação é algo que ajuda os profissionais de finanças a entender se a empresa está alavancando ou perdendo resultados.

Vantagens do BI na área de finanças

Uma ferramenta de análise permite aos gestores acessar dados mais consistentes e significativos, certo? A empresa que decide implementar um BI está, automaticamente, fornecendo aos profissionais benefícios relacionados à eficiência, economia e rentabilidade.
Entre algumas das vantagens de BI na área financeira, estão:

MAIOR PRAZO PARA EXAMINAR FALHAS

A equipe de finanças trabalha para detectar erro nos dados, conseguindo assim bolar estratégias para impedir que problemas ocorram ou se repitam;

DISPONIBILIDADE PARA ANÁLISE DE RELATÓRIOS

Os gestores possuem mais tempo para compreender informações, influenciando na tomada de decisões mais assertivas sobre investimentos e desenvolvimento de produtos.

ANÁLISE DE INDICADORES

Os profissionais conseguem examinar Indicadores Econômicos para demonstrar o progresso da empresa e Indicadores Financeiros que ajudam a calcular a quantidade de dinheiro em caixa, e como a organização está se comportando no mercado. Além disso, Indicadores para Análise de Investimentos, que auxiliam os gestores na tomada de decisões para escolher o investimento certo.

TRANSPARÊNCIA SOBRE OS LUCROS

Seja sobre a captação de clientes, vendas de produtos ou serviços prestados, os profissionais de finanças sabem exatamente qual a rentabilidade que a empresa conquistou em determinado período. Como as análises são realizadas por meio de dados, as chances de ocorrerem falhas ou erros nos relatórios é praticamente nula.

PREVENÇÃO CONTRA POSSÍVEIS PENALIDADES

A implementação de uma ferramenta de BI previne os profissionais para que não sofram multas ou qualquer cobrança relacionada à não aplicação de controles corretos — como é o caso de auditores que realizam a verificação das atividades, livros contábeis, e outros.

Percebe como os benefícios da ferramenta vão além do que só os exemplos acima? Está preparado para também implementar um sistema Business Intelligence na sua empresa e ver a sua lucratividade aumentando?

Para conhecer mais sobre a implementação de um BI e quanto tempo demora para a implementação, entre em contato com um de nossos especialistas e descubra como essa ferramenta pode alavancar o seu negócio.

Financeiro estratégico? Alie tecnologia e credibilidade

Mudanças no mercado fazem com que a área financeira venha a transformar sua atuação, deixando para trás os tempos em que era responsável apenas por rotinas operacionais. A atuação estratégica é cada vez mais exigida. Neste contexto, abusar de tecnologia para ter credibilidade é essencial para que a área financeira torne-se mais estratégica para a companhia e acompanhe as tendências de mercado.

Em 2010Warren Buffett (investidor, filantropo norte americano, presidente da Berkshire Hathaway e um dos homens mais ricos do mundo) disse que “Não importa o quão sereno o dia possa ser, o amanhã é sempre incerto. Não deixe esta realidade assustar você”. Estamos em 2018, e com toda a evolução da tecnologia, é por meio de processos automatizados e confiança que informações consistentes tornam o dia seguinte mais previsível.

Algumas ferramentas podem auxiliar a área financeira no desempenho das rotinas do dia-a-dia, tornando a atuação mais estratégica e, fornecendo insights sobre o negócio da empresa.

Optar por uma ferramenta de analytics, fornecedora de dados consistentes e confiáveis irá auxiliar a área de finanças de sua companhia a mudar seu formato de atuação e transmitir uma imagem positiva para stakeholders. Para que isso aconteça, é preciso aliar processos automatizados e confiança, além de utilizar as melhores ferramentas analíticas e desenhar processos corretos.

Como aliar tecnologia e credibilidade?

Para que uma área de finanças transmita uma imagem positiva para stakeholders, é preciso estar sempre com os números da empresa à disposição, e com prontidão apresentar dados para decisões estratégicas importantes da companhia. Para ter credibilidade na companhia, é preciso apostar em ferramentas tecnológicas e implementar uma ferramenta de BI (Business Intelligence) que proporcione o acesso às informações da companhia.

Para escolher uma solução de BI que atenda as necessidades de sua empresa, listamos 2 considerações importantes para você refletir sobre a escolha da melhor ferramenta para ter maior credibilidade em suas rotinas.

  • Integração de dados: procure conhecer a ferramenta e quais suas possibilidades para acessar diferentes fontes de dados. A solução escolhida deve integrar dados das ferramentas já utilizadas em sua companhia, como o ERP, por exemplo. Mas também precisa acessar dados, estruturados ou não, de fontes externas, para possibilitar a geração de insights mais valiosos para sua tomada de decisão.
  • Dashboards de gestão: quais são as informações necessárias para a área financeira de sua empresa? Quais números devem ser apresentados aos stakeholders? A ferramenta escolhida deve ser capaz de dispor essas informações com agilidade e segurança. Certifique-se que a ferramenta disponha de gráficos, para melhor apresentação dos resultados aos stakeholders e, contribua para a tomada de decisões estratégicas da companhia.

É importante considerar que uma ferramenta de BI deverá proporcionar o aproveitamento da inteligência coletiva de toda a organização, com análise de informações globais da empresa. A ferramenta de BI da Qlik, por exemplo, representa a possibilidade de integração de dados da companhia como um todo. O objetivo é garantir o envolvimento das pessoas, dados e ideias, para proporcionar a todos os interessados o acesso a informações consistentes e confiáveis.

A ferramenta representa também evolução nos processos de análise e tomada de decisão, pois proporciona atuação mais ágil e dinâmica, por meio de um modelo associativo.

Alfabetização de dados: por que sua implementação é necessária?

A obtenção de informações verdadeiras sobre a empresa permite tomar decisões mais assertivas, bem como prever riscos. Porém, mais importante do que ter à disposição números e gráficos, é decifrá-los e compreendê-los. O que nos leva ao termo conhecido como alfabetização de dados.

Também conhecida como Data Literacy, na prática, a alfabetização de dados é a capacidade que uma empresa tem de transformá-los em algo fácil de ser compreendido pelos usuários. É a habilidade de ver, entender, analisar, interpretar e comunicar o conteúdo existente, proporcionando uma melhor leitura do contexto empresarial.

Neste artigo, abordaremos mais sobre a alfabetização de dados, incluindo sua importância para o sucesso de um negócio.

O que é alfabetização de dados?

A alfabetização de dados é um conceito que pode ser resumido em aprender e entender o significado das informações. O seu principal objetivo é reunir conhecimento para que seja tomada a melhor decisão. Com dados precisos, é possível:

  • Modificar estratégias;
  • Melhorar processos;
  • Produzir novas soluções;
  • Otimizar vendas;
  • Reduzir custos.

Para que isso ocorra, porém, a alfabetização de dados deve ser expandida para todos os setores da empresa. Além dos especialistas em Tecnologia da Informação e Ciência de Dados, todos os níveis hierárquicos devem entender a sua importância e como analisá-los.

Afinal, quanto mais pessoas têm acesso às informações, maiores são as chances de serem realizados processos eficientes e benéficos para o negócio.

Qual a importância da alfabetização de dados nas empresas?

Na era digital, os dados são considerados os elementos mais importantes. Através deles, é possível realizar planejamentos mais precisos, definir táticas bem alinhadas e direcionar a estratégia empresarial adequadamente.

Porém, nem todo dado pode ser usado. Eles devem estar previamente qualificados – ou seja, captados, analisados, contextualizados e transformados em informação relevante.

Logo, a alfabetização de dados é essencial para qualquer empresa. Quanto mais profundo é o conhecimento a respeito das informações e maior a capacidade de interpretá-las, mais fácil se torna avaliar quais ações devem ou não ser feitas.

Apesar de ser clara a importância de incorporá-la no dia a dia, somente nos últimos anos os benefícios da alfabetização de dados foram percebidos.

Para você ter uma ideia, na década passada, eram raras as empresas que realizavam ações de marketing e mensuravam os seus resultados. A maioria se baseava nas vendas, deixando de lado outros números que também demonstravam a eficácia de uma campanha, como os acessos ao site.

Ainda hoje, é possível ver estabelecimentos utilizando dados de maneira rasa e os aplicando de forma pouco eficiente. Perdendo, assim, a oportunidade de aprimorar seus serviços, atendimentos, produtos e processos para obter resultados melhores.

Sendo assim, a alfabetização de dados deve ser tratada como prioridade. Somente com o conhecimento analítico, se pode compreender a realidade da empresa e implementar as ações necessárias para melhorar a satisfação do seu colaborador, obtendo sucesso.

Passo a passo para atingir a alfabetização de dados

O primeiro passo para inserir essa cultura na empresa é realizar uma conscientização. É preciso que todos saibam que, sem o uso adequado dos dados, é difícil competir com a concorrência. E, em alguns casos, até mesmo sobreviver no mercado atual. Logo, deve haver engajamento em todos os setores.

Em seguida, é essencial buscar um sistema que seja capaz de aplicar todos os processos relacionados aos dados. Ele deve:

  1. Captar dados de diversas fontes e em diferentes formatos;
  2. Analisar e limpar as informações, eliminando duplicidades;
  3. Organizar o conteúdo e torná-lo de mais fácil acesso.

Apesar de ser essencial o contato com um suporte tecnológico adequado, isso de nada irá adiantar se a empresa não pode interpretar as informações disponibilizadas. É aí que entra a importância de profissionais que tenham habilidade analítica e conhecimento profundo sobre Business Intelligence.

Por mais que os dados sejam disponibilizados para todos, é importante que alguns colaboradores fiquem responsáveis por desenvolver métricas e indicadores, norteando assim a estratégia organizacional.

Com esse processo sincronizado, o novo modelo de atuação centrado em dados deve ser instalado definitivamente. Ou seja: dessa forma, nenhuma decisão mais deve ser tomada sem ter base em fatos.

Como a Abyt Holder pode auxiliar no processo de alfabetização de dados?

Apesar de, aparentemente, ser fácil instalar a alfabetização de dados, algumas empresas têm dificuldade nessa etapa do processo. Principalmente, porque ainda é difícil encontrar profissionais especializados em Business Intelligence.

É nesse cenário que o serviço de consultoria da Abyt Holder se torna um grande aliado. Referência na aplicação da plataforma Qlik no mercado brasileiro, permite que negócios de diferentes tamanhos e segmentos apliquem o BI adequadamente. E, com isso, passem a utilizar os dados como diferencial competitivo.

A consultoria da Abyt Holder pode auxiliar as empresas de diversas formas, incluindo:

Quality Assurance

É feita uma revisão completa da ferramenta de BI, desde a sua aplicação até os servidores. Com isso, o que não é necessário é eliminado, reorganizando o ambiente.

Migração de servidores Qlik

Caso a ferramenta de BI esteja desatualizada, defasada ou não esteja atingindo o potencial desejado, a Abyt Holder faz a migração dos servidores. Tudo com segurança, garantindo a total integridade dos dados.

QA de aplicação

Para evitar lentidão e falhas, o desempenho da ferramenta é analisado e otimizado.

Arquitetura e modelagem

É feita uma análise do ambiente e desenvolvida uma nova arquitetura e modelagem dos dados, a fim de suprir as necessidades da empresa.

Design de dashboards

Caso a aplicação de BI esteja pronta e somente necessite de painéis responsivos para atender às necessidades dos usuários, a Abyt Holder sugere alternativas para melhorar a apresentação das informações.

Além disso, a Abyt Holder conta com o serviço de mentoring, disponibilizando um consultor dedicado para cuidar da aplicação BI dos usuários. A fim de garantir, com isso, que o potencial da ferramenta será aproveitado ao máximo – e que os dados estarão acessíveis a todos.

5 quesitos para escolher a melhor ferramenta de visualização de dados

Uma ferramenta de visualização de dados é aquela que coleta, manipula e analisa dados brutos, transformando-os em tabelas ou outras figuras visuais. Ela estrutura graficamente as informações para que sejam facilmente compreendidas.

Com esses dados, é possível entender melhor a realidade da empresa, bem como traçar metas claras. Além disso, permite organizar os processos, direcionar o trabalho das equipes e, principalmente, tomar decisões assertivas.

Como a ferramenta de visualização de dados ajuda empresas?

Essa ferramenta possui diversas funcionalidades no ambiente corporativo. É útil para disponibilizar insights às equipes, permitindo uma interpretação mais ágil dos dados.

Isso ocorre porque os dados brutos nem sempre oferecem o entendimento adequado sobre o conteúdo. Em contrapartida, se analisados e posteriormente dispostos graficamente, eles podem ser vistos de forma mais eficaz.

A ferramenta de visualização de dados também é muito utilizada para identificar correlações e padrões de desempenho, garantindo uma panorama macro do negócio.

Além disso, através da interação de um conjunto grande e complexo de dados, é possível realizar uma análise preditiva da empresa. Ou seja: ter acesso a fatos atuais e históricos para, com isso, observar tendências e fazer previsões.

Como existe uma variedade de ferramentas que oferecem essa opção, é preciso ficar atento a alguns quesitos. São eles que demonstram a eficácia da tecnologia e, mais do que isso, a análise das informações.

5 fatores essenciais em uma ferramenta de visualização de dados

1 – Fonte de dados

Antes de escolher a ferramenta em si, as empresas precisam avaliar a melhor forma de armazenar os dados – se em um servidor próprio ou na nuvem. Atualmente, esta última opção é considerada a mais eficiente, pois não requer equipamentos próprios. E, em caso de problemas na empresa, os dados ficarão assegurados.

Após isso, é preciso fazer um levantamento das fontes principais de dados a serem analisados. Eles podem advir de sistemas próprios, mídias sociais, CRM, planilhas de Excel, entre outros. Inclusive, devem aceitar formatos como números, tabelas e gráficos.

Realizando esses levantamentos, basta escolher uma plataforma que seja compatível, suporte a conexão desejada e leia as diversas fontes de dados utilizadas.

2 – Transformação de dados

Nesse quesito, há três fatores a serem levados em consideração:

  1. Volume;
  2. Armazenamento;
  3. Tratamento.

É importante saber, por exemplo, a quantidade de dados a serem organizados e avaliar se o tratamento será feito na própria ferramenta – ou se já estarão devidamente estruturados. Necessitando, desta forma, apenas conectá-los e promover a visualização.

O ideal é contar com uma ferramenta que capture os dados, realize essa transformação e crie as visualizações rapidamente. Quando tudo é unificado, o processo se torna mais rápido e certeiro.

3 – Exploração e análise de dados

Para saber se uma ferramenta de visualização de dados é ideal, é preciso entender porque a empresa precisa de uma. Se é para explorar as informações a fundo e utilizá-las nas tomadas de decisão ou apenas para acompanhamento gerencial.

Isso pode eliminar algumas opções – devido aos diversos campos e funcionalidades que cada uma oferece.

Existem versões mais básicas, que permitem o acesso às informações em diversos formatos e uma análise breve sobre histórico e tendências. Outras favorecem uma compreensão maior sobre o conteúdo. Já as mais complexas, podem utilizar estatísticas e conhecimentos próprios para prever indicadores.

Mais um fator que deve ser levado em consideração é a quantidade e os tipos de gráficos disponibilizados. Escolha aquela que ofereça o formato mais apropriado para o entendimento do seu negócio.

4 – Facilidade de uso

É essencial que a ferramenta de visualização de dados escolhida conte com recursos fáceis de usar e uma interface amigável. Afinal, nem sempre os usuários são técnicos e especialistas em Tecnologia da Informação.

Portanto, se o objetivo é permitir o acesso de todos às informações, o recurso deve ser simples, intuitivo e pensado para pessoas com quaisquer níveis de habilidade.

5 – Design responsivo

O design da plataforma também deve ser avaliado. Isso porque a ferramenta pode ser acessada através de outros dispositivos que não sejam o computador. Portanto, ela deve se adequar a qualquer um, permitindo o fácil acesso aos dados.

Quais são os diferenciais da ferramenta Qlik?

A Qlik é considerada uma das melhores soluções de Business Intelligence. Uma plataforma flexível e completa, que possibilita criar análises personalizadas para a tomada de decisão.

Sua principal vantagem é o fato de entregar os dados prontos para a análise. Ela realiza o processo de extração, transformação e distribuição, independentemente da fonte. Logo, faz o trabalho de higienização, a fim de disponibilizar somente as informações relevantes.

Outros diferenciais da ferramenta de visualização de dados Qlik são:

Interface intuitiva

Um dos destaques da plataforma é a sua interface intuitiva. Mesmo quem não tem um conhecimento aprofundado da tecnologia, consegue realizar pesquisas e obter os dados desejados.

Pesquisa inteligente

Permite encontrar facilmente informações relevantes e, com isso, tomar as melhores decisões. Basta digitar a palavra-chave no Smart Search, e a plataforma enumera as associações possíveis.

Gerenciamento centralizado

Com ela, é possível administrar todos os dados e aplicações em um único local. Ou seja, o gerenciamento é centralizado, garantindo a segurança das informações e a escalabilidade em toda a organização.

Conectividade

A Qlik conta com um grande número de conectores. Ela aceita, por exemplo:

  1. ODBC;
  2. OLEDB;
  3. REST API.

Além disso, permite a conexão com diversas fontes, incluindo mídias sociais, sites, sistemas web e Big Data.

Personalização

Outro diferencial da ferramenta é a oportunidade de personalizar e estender suas aplicações. Nela, existem cerca de 500 opções gráficas e projetos que podem ser incorporados – todas elas desenvolvidas por uma comunidade open source. É possível, ainda, integrar a Qlik em páginas e criar painéis de visualização personalizados.

Segurança

A plataforma oferece segurança flexível para dados e demais conteúdos em todos os dispositivos. Além de contar com sistemas avançados de proteção, o backup é realizado periodicamente.

Melhore a gestão de desempenho de processos

Empresas que desejam aumentar a eficiência do seu negócio precisam de uma gestão de desempenho adequada. Para isso, devem contar com tecnologias e informações que possibilitem tomadas de decisão certeiras.

É nesse cenário que a tecnologia Business Intelligence vem se destacando. Também conhecida como BI, ela é considerada hoje uma das principais estratégias de análise de dados. Isso porque permite coletar, organizar, analisar, compartilhar e atualizar todas as informações armazenadas em uma empresa.

Com isso, é possível realizar uma plena gestão de desempenho e desenvolver um planejamento adequado às expectativas do mercado.

Neste artigo, você saberá o que é Business Intelligence e porque ele é um grande aliado da gestão empresarial. Vamos lá!

Afinal, o que é Business Intelligence?

Business Intelligence é um conjunto de estratégias desenvolvidas para o ambiente corporativo que gira em torno da análise de dados. Neste recurso, são utilizados diversos processos, teorias, metodologias, tecnologias e estruturas a fim de transformar uma grande quantidade de informações em conhecimento relevante para o negócio.

Seu objetivo principal é melhorar a gestão de desempenho, fornecendo informações mais detalhadas, precisas e atualizadas. Para, assim, permitir o monitoramento da realidade da empresa e a tomada de decisão eficiente.

Quando a análise de dados faz parte dos processos empresariais, ela promove melhorias externas e internas. Externamente, a ferramenta identifica tendências de mercado e melhora o planejamento de marketing e vendas. Internamente, facilita que os gestores encontrem falhas e pontos que a serem melhorados, a fim de que o fluxo de trabalho siga adequadamente.

Porém, é importante destacar que nem todas as informações são analisadas. Mas sim, aquelas que são úteis para aprimorar a gestão de desempenho da empresa.

Como BI impacta na gestão de desempenho?

Empresas que implementam Business Intelligence melhoram significativamente a qualidade na gestão. Isso porque fornece os dados necessários para que gestores tenham uma visão ampla do negócio. E, com isso, tomem melhores decisões.

Através das informações coletadas, é possível saber, por exemplo, quais recursos estão sendo desperdiçados. Inclusive, quais clientes são mais lucrativos, se existem ameaças reais ao negócio e de que forma é possível superá-las.

As rotinas também passam a ser avaliadas com clareza, possibilitando torná-las mais funcionais, inteligentes e flexíveis. Através dos dados, pode-se otimizar e integrar processos visando a alta performance, bem como alocar melhor os recursos.

Apesar da tecnologia ser utilizada principalmente por gestores e executivos, também é útil para colaboradores em geral. Isso porque, com as informações geradas, eles mesmos podem avaliar alternativas de otimização da sua produtividade.

Ou seja, pode-se dizer que essa estratégia melhora a gestão de desempenho porque impacta positivamente o processo de todos os setores. Consequentemente, promove um crescimento na qualidade dos serviços ou produtos disponibilizados. Assim, gerando um aumento nas vendas e na saúde financeira como um todo.

Abaixo, você verá exemplos práticos nos quais a BI otimiza os processos. Confira!

Benefícios da análise de dados nas principais etapas da gestão empresarial

Para entender, na prática, como BI impacta na gestão de desempenho, é importante avaliar os benefícios oferecidos nas etapas mais críticas do processo. São elas:

1. Planejamento

No momento em que os gestores têm acesso a informações precisas, eles antecipam possíveis problemas e oportunidades no seu segmento. Logo, são capazes de realizar um planejamento mais eficiente. De forma a reduzir ao máximo os riscos e aumentar as chances de atingir suas metas.

2. Produção e vendas

Coletar dados sobre os produtos mais vendidos, por exemplo, não é importante somente para fins de faturamento. Isto influencia diretamente na produção, pois determina o que é preciso ter em maior quantidade no estoque. Em contrapartida, informa o que tem menos saída para diminuir a sua produção ou buscar alternativas que elevem o escoamento.

3. Controle de gastos

Ainda há gestores que não controlam os gastos internos e, no final do mês, não conseguem determinar a causa do não atingimento de suas metas. Ao adotar estratégias de BI, é possível ter acesso a informações para, se necessário, promover essas mudanças internas.
Através dele, pode-se analisar dados como estoque, fluxo de caixa e investimentos. Com isso, permite uma visão mais completa sobre o uso de recursos e as reais demandas do negócio.

4. Tomada de decisão

Os algoritmos de BI cruzam os dados internos e externos da empresa e, dessa forma, geram informações mais completas. Logo, favorecem a uma tomada de decisão, com chances mais claras de sucesso.

5. Análise de desempenho

Outra funcionalidade do recurso é gerar informações para que os gestores confiram o desempenho das equipes. Assim, também contribui para uma melhor gestão de pessoas.

Como aplicar Business Intelligence na sua empresa?

Agora que você já sabe o que é BI e porque esta ferramenta é uma ótima aliada da gestão de desempenho, é hora de saber como colocá-la em prática.

Há três elementos essenciais para que ela se concretize em qualquer organização:

1. Coleta de dados

É importante contar com uma tecnologia que permita a coleta de dados estruturada. Como o ideal é que as informações sejam centralizadas, ela deve permitir a captação de dados das demais ferramentas utilizadas, independentemente do formato.

2. Organização e análise

Nesta etapa, o software de BI é responsável por organizar todas as informações em um banco de dados, analisá-los e disponibilizá-los de forma simples e clara.

3. Monitoramento

Este é considerado o fator-chave para uma boa gestão de desempenho. Afinal, de nada adianta possuir os dados, se as pessoas encarregadas não realizarem o trabalho de análise e tomarem suas decisões baseadas neles.

Para que a estratégia de BI funcione, é preciso que esses elementos conversem entre si. Caso um deles não esteja adequado, os dados não serão precisos. E, portanto, a análise de desempenho ficará comprometida.

Seja qual for o porte ou segmento da sua empresa, é essencial que se aplique Business Intelligence para melhorar os seus processos. E, consequentemente, ser capaz de tomar decisões mais certeiras, visando colher bons frutos em seu negócio.

Conheça as vantagens de terceirizar a implementação do BI

As ferramentas de BI têm conquistado um espaço cada vez mais importante no universo dos negócios. Mas, entre alguns gestores ainda existe a falta de priorização de projetos de BI. Seja em razão do custo, seja por causa do tempo estimado para começar a utilizar a solução.

Além disso, segundo pesquisa do Gartner, muitas organizações estão usando várias tecnologias de analytics e business intelligence (BI) de uma forma ineficiente.

Então, por que não terceirizar a implementação do seu BI com uma ferramenta como o Qlik Sense, garantindo tanto a expertise do fornecedor quanto os resultados e evitando erros que só causam dor de cabeça?

Erros que devem ser evitados numa implementação de BI

Mesmo quando a organização tem uma equipe de TI pronta para atender as demandas, implementar BI internamente pode ser um tiro no pé. Muitos problemas podem ser evitados quando se contrata uma empresa especializada. Isso sem falar do alto custo de desenvolvimento interno. Veja 5 erros a serem evitados:

1. FALTA DE PLANEJAMENTO NA IMPLEMENTAÇÃO

Implementar a ferramenta de BI não é apenas comprar um software e instalá-lo. Você precisa definir muito bem os objetivos da empresa ao fazer esse investimento e como a solução poderá contribuir para alcançar os resultados almejados.

Como o BI pressupõe a integração de uma série de outras ferramentas, você também deve ter uma visão sistêmica da empresa, compreendendo como cada recurso poderá contribuir e alimentar o Business Intelligence para maximizar o seu uso.

2. SUBUTILIZAÇÃO DO SISTEMA

Uma vez implementado, um dos erros cometidos é subutilizar o sistema. A equipe que não foi preparada para compreender a importância e o funcionamento da ferramenta mantém controles dispersos em planilhas e outros sistemas. Daí, no momento de alimentar o BI com informações relevantes, deixa campos em branco ou ainda preenche com dados inconsistentes.

Assim, quando for gerar relatórios que poderiam auxiliar na tomada de decisão, você tem um monte de dados que não correspondem à realidade do seu empreendimento. Isso conduz a conclusões equivocadas e que podem impactar negativamente o seu negócio.

Com a Qlik, você tem mais facilidade de gerar relatórios gráficos, graças ao seu motor cognitivo de inteligência aumentada. A própria solução é capaz de criar análises baseada em seus dados e auxiliar o usuário a maneira mais adequada de visualizar seus dados.

3. FALTA DE INTEGRAÇÃO DO BI A OUTRAS FERRAMENTAS

O BI é formado pelo conjunto de tecnologias que você utiliza para coletar, processar e analisar dados de uma série de fontes, como clientes, fornecedores, mercado, ERP, CRM, Automação de Marketing, Gestão de Projetos, entre outros.

Mas se você não integra todas essas ferramentas ao BI, não aumenta sua capacidade de confrontação de dados, tampouco de análise dessas informações. Portanto, no momento de implementar a solução na sua empresa, tenha certeza de que todas as soluções utilizadas podem e serão integradas ao Business Intelligence.

Ao implementar a ferramenta Qlik Sense, em vez de os registros ficarem espalhados pelos diversos setores, eles podem ser acessados para análise dentro de uma única plataforma. Com isso, são gerados relatórios a partir de dados coletados de todas as áreas da empresa.

4. AUSÊNCIA DE UM PROFISSIONAL QUALIFICADO

Alguns dos erros mais comuns na implementação doméstica da ferramenta de BI é a crença de que é possível adotar a solução sem o acompanhamento devido. Simplesmente cadastrar sua empresa em um BI na nuvem e começar a preencher os dados não garante o sucesso da sua iniciativa. É necessário ter um profissional qualificado que entenda o funcionamento da ferramenta e que auxilie no processo de integração das informações.

Nos primeiros meses de uso, é fundamental que haja um acompanhamento da implementação. É preciso verificar se as pessoas estão utilizando o BI da maneira correta e se a cultura de análise de dados está internalizada. Se não, veja se é necessário desenvolver treinamentos que facilitem e potencializem o uso da ferramenta para extrair os melhores resultados.

5. SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES

Outra questão a ser considerada é, sem dúvida, a segurança. Muitas empresas focam no desenvolvimento e ficam ansiosas em terem logo a solução. Com isso, acabam “esquecendo” do fator crítico para o sucesso do projeto: a segurança das informações.

Essa questão, por vezes vista como desnecessária, pode gerar uma enorme dor de cabeça futura aos gestores. Por isso, no planejamento, esse quesito sempre deverá ser considerado. Não levar isso em conta representa alto risco de desenvolvimento interno.

O Qlik Sense permite análises não hierárquicas de dados, ou seja, em que as consultas não foram construídas em uma ordem específica (como ano/trimestre/mês). Com isso, você deixa de ter intervenção humana, o que garante muito mais segurança aos dados, garantindo compliance na empresa.

O mais seguro é partir para a terceirização

Após todas as ameaças e problemas que uma implementação doméstica pode acarretar, o ideal é partir para uma solução pronta. Com a contratação de uma empresa especializada, a equipe de TI aparece como facilitadora do processo e responsável por aspectos internos. Mas sempre contando com a expertise de fornecedor, software e consultoria de uma empresa renomada.

De acordo com estudo feito pela consultoria Frost & Sullivan, no estudo Brazilian IT Outsourcing Market, Forecast to 2021, o segmento de terceirização de serviços de TI, que corresponde atualmente a 48,5% do setor, deve chegar a uma receita de US$ 7,96 bilhões até 2021. A pesquisa mostra os impactos das recentes inovações tecnológicas, cenário de negócios e economia que podem impulsionar ou restringir a adoção do modelo de terceirização.

De acordo com a consultoria, o cenário econômico brasileiro influenciou o desempenho do mercado de serviços e forçou as companhias a reduzir os gastos, focar na manutenção da operação e aumentar a eficiência. Como resultado, o negócio passou dos serviços de TI tradicionais para novas plataformas e tecnologias que oferecem uma implementação mais rápida a preços mais competitivos.

As interfaces de BI de autoatendimento geram resultados impressionantes

Um estudo do Gartner lança luz sobre a importância das interfaces de BI de autoatendimento. As ferramentas estão produzindo mais informações de análise que os cientistas de dados hoje. E revela que o BI ajuda as empresas a se diferenciarem no mercado e a criar uma cultura empresarial baseada em dados.

Uma solução de BI de autoatendimento simplifica a maneira de analisar e de correlacionar os dados indicadores de desempenho de forma colaborativa e inteligente. A implementação da solução proporciona mais rapidez e assertividade na gestão de um negócio, favorecendo seu posicionamento perante a concorrência.

Dotada de uma metodologia chamada Business Analytics, O Qlik Sense é mais intuitiva que as concorrentes e oferece mais usabilidade. Ela faz a integração de dados de diferentes sistemas de informação de sua empresa para criar aplicativos e painéis de análise interativos.

Sem precisar de ferramenta acessória, a Qlik faz o processamento de extrair, transformar e carregar (ETL, Extract, Transform and Load, na sigla em inglês) dados vindos de fontes diferentes.

Em vez de os registros ficarem espalhados pelos diversos setores, eles podem ser acessados para análise dentro de uma única plataforma. Com isso, são gerados relatórios a partir de dados coletados de todas as áreas da empresa.

Na era digital, a solução de BI self-service se destaca, com ganhos consideráveis em tempo e redução de custos. E as tendências futuras incluem novos desenvolvimentos e integrações. O que significa que não se pode perder tempo.

É hora de as organizações pensarem sobre como capitalizar essas tendências de business intelligence em suas organizações e ajustar suas operações de acordo.
As vantagens da terceirização da implementação de BI é apenas o começo. Está na hora de tomar decisões certeiras para fazer seu negócio crescer.