O uso da ciência de dados para gerar uma sociedade melhor

Painéis desenvolvidos em Qlik são usados em distintas esferas de governo, para trazer acessibilidade para quem quer ver a distribuição e gasto dos recursos públicos, essa ferramenta vem sendo amplamente usada para satisfação de uma sociedade transparente que pode acessar a informação através dos portais públicos e acompanhar em painéis o ajuste de contas. A ciência de dados é aplicada em variadas vertentes, inclusive na atividade do setor público. Condicionados ao rápido desenvolvimento de tecnologias e sociedades, os Governos necessitam solucionar tarefas complexas e gerenciar procedimentos simultaneamente. As plataformas inteligentes agem na coleta, tratamento, filtro e analise de uma quantidade exponencial de dados. Governos locais, agências federais e departamentos utilizam ferramentas orientadas a dados para otimizar seu trabalho e aprimorar variados assuntos.

Big Data Fiscal

Na atualidade estamos na era da informação e o termo Big Data Fiscal é comum entre os profissionais de detecção de fraudes. As ferramentas de BI  e de Data Analytics são eficientes e processam volumes de dados exponenciais. Regressão linear, aprendizado da máquina e análise de padrões são aplicações estatísticas muito úteis para os interessados na área da ciência de dados.

Compreender e absorver os conceitos dos sistemas Big Data é uma forma de estar a frente quando o assunto é tendências da tecnologia. Essa inovação é aderida pelas fiscalizações da Receita Federal do Brasil (RFB) no momento da detecção de fraudes e irregularidades. O Big Data Fiscal é alicerçado em um grande conjunto de informações com aplicabilidade às demandas da fiscalização tributária. Órgãos como a Receita Federal e as Secretarias estaduais usam essas ferramentas para cruzar dedos e detectar sonegações de impostos e evasões fiscais. Assim, é possível gerenciar de um jeito eficiente a arrecadação de verbas públicas.

– DEMONSTRAÇÕES DE FLUXO DE CAIXA ANALISADOS:

Com a demonstração de fluxo de caixa (DFC) é possível fornecer apoio direto às decisões financeiras das companhias. Realizando esse cálculo as possibilidades de investimentos ficam mais claras em comparação com relatórios de gastos. O Big Data Fiscal é capaz de cruzar essas informações rapidamente e encontrar possíveis irregularidades. Logo, é inteligente analisar suas demonstrações contábeis e prezar pela qualidade de dados registrados. A análise das DFC possibilita o detalhamento dos custos do seu negócio e planejamentos concretos. Registrar os itens contábeis incomuns como uma multa mais cara ou uma despesa extra fará com que se aumente o controle os gastos ao longo do ano em uma prestação de contas aos órgãos reguladores.

– INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL:

A AI está ativa na gestão das empresas, e o Governo já usufrui também de seus benefícios. A computação cognitiva, integrada à Internet das Coisas e às redes sociais, aumentou a velocidade de muitos processos de análises preditivas de informações. Isso torna fácil a detecção de anomalias e tendências nos cadastros dos bancos de dados fiscais. Essa tecnologia é capaz de aprender sozinha e gera dados relevantes para o fisco. O cruzamentos de massas de dados dos contribuintes segregados por Estados e Municípios. Essa grande gama de informações possibilita projetar perfis de comportamentos e simplificar o trabalho dos fiscais no momento de encontrar indícios irregulares. Manter o controle dos registros contábeis e financeiros evita problemas com a RFB.

– CRUZAMENTO DE NOTAS FISCAIS:

As notas fiscais abrem caminhos para que o fisco possa rastrear produtos e serviços fornecidos por sua empresa. Se trata de um formulário com diversos campos, códigos e classificações que trazem o maior controle das atividades empresariais pelo Governo. Ter a compreensão do layout das Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e) pode evitar eventuais demandas com as Secretarias estaduais. Os sistemas de Big Data Fiscal cruzam constantemente vários dados das NF-e e visualizam quais ramos de negócios são inclinados a irregularidades. Com isso, é possível identificar rapidamente possíveis indícios de sonegação de tributos. É necessário controlar informações colocadas nas notas fiscais para que sejam sempre confiáveis.

Corrupção Pública

A corrupção pública custa ao bolso do Governo muitos milhões em todo o mundo. Esse movimento é difícil de ser combatido e resolvido, continua sendo um desafio para o setor público e para a sociedade. Contudo, um novo recurso, dá esperanças de um combate efetivo: o uso de Analytics e soluções de machine learning. Os registros e licitações públicas são longos e complexos documentos que tem dezenas de páginas, cláusulas e parágrafos de linguagem rebuscada.

Isso dificulta o entendimento. Logo, para avaliá-los, é necessário ter a perícia de profissionais especialistas com capacidades específicas e conhecimento técnico para que padrões sejam apontados indicando o manuseio incorreto de fundos, ou informações, que representam indícios corruptivos. Todavia, para a análise de dados, se trata de uma simples tarefa que pode ser executada em instantes, além de estar em funcionamento todo o tempo. As soluções tecnológicas buscam rapidamente cada um dos dados.

A análise de dados pode avaliar inúmeras fontes de informações diferentes para descobrir tendências que, de outra forma, não seriam identificadas. Com a implementação de soluções tecnológicas da análise de dados, é possível fazer a captura e interpretação ágil de todas as informações, uma barreira eficaz contra fraudes. Com os dados compreendidos rapidamente, realiza-se questões complexas sobre como os recursos foram gastos, facilitando a localização de incidentes de corrupção.

Empresas não registradas

O grupo de firmas canceladas de registro abrange as empresas que não são mais registradas, desistiram de negociar e não estão sujeitas a obrigações legais e tributação. Contudo, essas organizações podem voltar a ativa em caso de necessidade. Dado esse fato, um vasto campo para ações fraudulentas é fornecido. Inúmeras vezes as empresas não estão mais no registro, mas seguem com sua operação e, finalmente, obtém renda. Algoritmos analíticos e soluções baseadas em AI estão auxiliando os Governos nesse quesito.

Os algoritmos rastreiam a atividade mesmo para as companhias que estão inativas e alarmadas em caso de atitudes suspeitas. Os algoritmos detectam a aparência do nome da empresa ou outras informações entre os dados financeiros. A divulgação das firmas canceladas de registro faz com que o Estado minimize e até impeça a evasão ilegal do pagamento de impostos.

A Qlik apoia projetos nas diferentes áreas da esfera pública e traz acessibilidade de informações ao Governo e consequentemente a sociedade. O acesso à informação faz com que a cidadania seja exercida com inclusão.

Saiba por que a Qlik é a melhor solução de BI para você

Você sabe como extrair os dados dos seus sistemas, higienizá-los e transformá-los em informações valiosas usando uma ferramenta de BI? Se você trabalha com as soluções Qlik, que entre outras qualidades faz buscas inteligentes, já está levando bastante vantagem sobre seus concorrentes.

O Qlik é a melhor solução de BI para sua organização. É mais intuitiva que as concorrentes e oferece maior usabilidade. Extrai os dados dos sistemas que a sua empresa possui, seja interno ou na nuvem, possibilitando criar análises personalizadas para auxiliar sua tomada de decisão.

Diferenciais da Qlik

A Qlik é denominada uma solução de Data Discovery fornecendo autonomia a todo usuário de negócio utilizar a ferramenta para contribuir nas tomadas de decisões. Proporciona rapidez, flexibilidade, facilidade de uso e recursos poderosos entregando respostas na velocidade de seu pensamento.

A grande vantagem da Qlik é ser considerada uma plataforma analítica e uma solução completa. Ela realiza desde o processo de extrair, transformar e carregar (ETL, Extract, Transform and Load, na sigla em inglês) dados vindos de fontes diferentes, fazendo os tratamentos necessários para higienização de dados e auxiliando a integração de dados de sistemas diferentes.

A ferramenta entrega os dados prontos para a análise. Ou seja, oferece o menor custo TCO (Total Cost Ownership). Isso porque ferramentas concorrentes podem precisar de um sistema de repositório de dados, como Data Warehouse, o que implicaria novo custo ao projeto ou até mesmo em outras licenças de diferentes produtos.

A TI não precisa se preocupar com os níveis hierárquicos previamente. É possível defini-los a qualquer momento, ao contrário das ferramentas tradicionais de BI. Além de tratar os dados, uma vez definido o script de captura, cria-se agendamentos para recargas automáticas, garantindo o compliance da análise, blindando-o de intervenções externas ou até mesmo erros humanos.

Outro destaque está na facilidade de gerar relatórios gráficos, onde a Qlik possui seu motor cognitivo qual chamamos de inteligência aumentada, onde a própria solução é capaz de criar análises baseada em seus dados e auxiliar o usuário a maneira mais adequada de visualizar seus dados.

Confira a seguir 8 vantagens da Qlik para sua empresa:

#1. Torna sua equipe autônoma, independente e informada

Com o sistema de autoatendimento da ferramenta, todo o time tem acesso às informações. A Qlik proporciona visualizações e descobertas em nível individual, além do compartilhamento entre o grupo.

Em suas últimas versões a ferramenta incorporou o motor cognitivo, onde a própria solução gera insights baseados em seus dados. É o que chamamos de inteligência aumentada, facilitando a compreensão de dados e até mesmo agilizando a montagem de dashboards.

#2 Data Storytelling

Com o data storytelling é possível tirar snapshots de seus dados (como relatórios) e usá-los em histórias estruturadas em um ou mais slides. Esses snapshots podem ser editados e permitem enfatizar dados específicos. Em outras palavras, o storytelling facilita o entendimento dos dados por meio da sua apresentação em painéis interativos.

Sabe aquelas apresentações repetitivas mensalmente? Uma vez criada, basta esperar a nova carga de dados e a apresentação está pronta, evitando o desperdício de tempo.

# 3 Governança de Dados

Governança de dados é um ponto muito forte da ferramenta. Com ela é possível administrar de forma centralizada todas aplicações e os dados, conseguindo definir em qualquer granularidade o que cada usuário pode ver. Isso mantém as informações seguras e garante sua escalabilidade em toda a organização.

Exemplo: Em uma aplicação de RH os analistas não são autorizados ver o campo “salário dos funcionários”. É o chamado corte vertical de dados, onde um campo é ocultado.

Já em um painel comercial o gestor de uma determinada região não consegue ver o que está acontecendo nas demais regiões (corte Horizontal de dados com filtros baseado no usuário).

# 4 Busca Inteligente

busca inteligente da Qlik permite encontrar informações relevantes para facilitar o processo de tomada de decisão. Basta digitar a palavra-chave no Smart Search e ela enumera as associações possíveis. Isso otimiza a busca e facilita a visão do usuário, que muitas vezes pode não saber o nome do campo que pretende buscar certo termo.

# 5 Design responsivo

Os painéis da Qlik oferecem visualização inteligente. Eles permitem que as informações sejam geradas e visualizadas corretamente em qualquer dispositivo, em qualquer lugar e a qualquer hora. Isso confere total responsividade e mobilidade para suas análises, facilitando o deploy do projeto, sem a preocupação de onde será visualizado, seja um tablet ou smartphone, ou até mesmo um computador com uma resolução diferente.

# 6 Conectividade

A Qlik possui um vasto número de conectores. A solução também aceita qualquer conexão como ODBC, OLEDB e REST API. Com o uso de APIs (Application Programming Interface) é possível a conexão com diversas fontes, como mídias sociais, sites que retornem dados, sistemas Web e Big Data, entre outros. Ou seja: conexão não é um problema para a Qlik.

# 7 Possui motor associativo

motor associativo é uma função exclusiva da Qlik, que interliga os dados e faz correlações entre eles. É simples, rápido e efetivo.

Veja o exemplo abaixo: Quando solicitamos apenas clientes do tipo Platinum, o modelo associativo Qlik retorna a resposta positiva e negativa. No caso, a negativa pode gerar importantes insights, como uma pergunta, porque não temos clientes com este perfil nas regiões South e West, enquanto no modelo tradicional ele oculta dados não relacionados ao termo pesquisado.

Modelo Associativo Qlik

Modelo Associativo Qlik2

#8 Possibilidade de personalizar e estender suas aplicações

A ferramenta aceita extensões, onde a Qlik possui sua store. Nela há mais de 500 objetos gráficos e projetos para incorporar em seu produto. Tudo é oriundo de uma comunidade open source onde o desenvolvimento não para.

Outro item importante são os mashups. É possível integrar a solução Qlik em páginas ou sistemas Web, de maneira muito rápida e simples, criando painéis de visualização personalizados conforme a identidade visual de sua empresa. Além disso, pode-se definir uma forma de navegação, com todas as possibilidades que uma página Web possui, como gerar relatórios em PDF ou até mesmo criar botões com ações.

CLIENTES SATISFEITOS COM A QLIK

Wow! Nutrition, indústria de bebidas e alimentos dona de marcas como a Sufresh e Assugrin, utiliza a solução Qlik para gerenciar o volume mensal de pedidos da empresa e uniformizar as informações. Além disso, gerencia diversas outras informações nas áreas financeira, compras, controladoria, qualidade e logística.
Entre os resultados, a equipe otimizou o tempo em cerca de 25% por dia na realização das análises.

Já a Orfeu Cafés Especiais, de Minas Gerais, passou por um reposicionamento de marca. Para acompanhar o crescimento desta fase, a empresa precisava melhorar ainda mais os seus processos internos e de gestão de vendas. Para automatizar e acelerar a análise de seus dados escolheu a Qlik pela possibilidade de implementá-la em nuvem. Em menos de seis meses de uso, a empresa já teve noção real do que é orçado, consegue gerenciar de maneira mais efetiva a área comercial, além de cruzar os dados com o setor financeiro.

Qlik possui um ótimo custo-benefício, pois oferece aos usuários as diversas vantagens de uma ferramenta de BI, ao mesmo tempo que proporciona uma distribuição de licença flexível e versátil. Ela se adapta à sua empresa, além de evitar custos adicionais, pois evita a criação de outro legado. Já deu para perceber por que a Qlik é melhor que suas concorrentes.

Então, o que você está esperando? Marque agora mesmo um horário com um de nossos especialistas para saber mais!

Conheça as principais fases de implementação de um projeto de BI

As ferramentas de Business Intelligence (BI) têm ganhado cada vez mais importância em empresas de todos os tamanhos. Sua adoção é capaz de melhorar o desempenho do negócio e planejar quais os passos mais assertivos para o futuro.

Mas para construir um BI é necessário seguir diversos passos importantes. Ignorar ou não realizar com afinco algum deles pode ser um caminho sem volta para o sucesso de seu projeto.

Entenda, neste post, a importância de cada uma dessas etapas:

#1- Fase de aquisição

Esse é o momento zero do projeto, em que sua empresa vai levantar tudo que for  necessário para o projeto. E isso inclui escolher entre desenvolver a ferramenta internamente ou procurar um fornecedor especializado.

Caso a segunda opção seja a escolhida, contar com o melhor provedor é extremamente importante. Esse fornecedor será o braço direito da empresa durante todos os processos de implantação, concedendo toda a ajuda para que o projeto seja vencedor.

Uma maneira de decidir o software que mais se adapta é realizando uma Proof of Concept (PoC). Isso garantirá de que o sistema escolhido se adequará 100% ao seu negócio.

Outras características importantes a serem observadas:

  • Escolha uma empresa que seja aliada do negócio, não apenas uma simples vendedora de software;
  • A fornecedora deve atuar como uma aliada interessada no sucesso do projeto, possuindo uma ampla visão de negócios;
  • A ferramenta ideal é aquela que esteja dentro da expectativa financeira da sua empresa e que tenha capacidade de gerar  um bom resultado — em termos de performance e confiabilidade.

# 2- Storage

Após a definição da fornecedora terceirizada – ou da construção interna – é hora de pensar onde as informações serão armazenadas. É necessário realizar uma avaliação que vai determinar qual a melhor solução tanto para armazenamento quanto para a democratização desses dados, ou seja, como você disponibilizará o dado certo, na hora certa, para pessoa correta, como essas estruturas de dados são construídas, em qual periodicidade e de onde vêm essas informações.

O grande objetivo de um storage é fazer o armazenamento inteligente de dados para que não haja um impacto direto na operação. Esse tipo de solução pode ser um Big Data, Data Lake, um banco de dados tradicional, ou até mesmo uma camada de dados proprietária do software escolhido, onde é possível governar e disponibilizar acesso correto para qualquer usuário da corporação.

Hoje começa uma nova tendência de mercado, que seria o catálogo de dados, onde o usuário consegue acessar uma espécie de mercado de dados em um ambiente amigável, onde ele “compra” exatamente o que precisa e em poucos segundo ele tem disponível uma massa de dados para construção de sua análise.

# 3- Preparação e tratamento de dados

Um estudo do instituto de pesquisas BARC (Business Application Research Center) demonstrou o quão essencial é a preparação dos dados. Enquanto os 700 entrevistados tinham uma expectativa de melhorar 50%, na realidade a taxa foi de 60%!

Mas a mesma pesquisa apontou que diversas organizações terão como destino falhar em projetos de BI simplesmente por ignorarem a importância dessa preparação. O motivo? Em muitos casos, as empresas acabam não utilizando o BI pois ele simplesmente só oferece informações sem coerência.

Para não ser refém de um software ineficiente é preciso utilizar técnicas e ferramentas que sejam capazes de prover a integridade dos dados com capacidade de administração eficiente por parte da TI.

Ele é responsável por preparar, formatar e armazenar, tratando os dados que serão utilizados nos dashboards.

A divergência de informações, citada acima, muitas vezes acontece, pois é comum os dados serem oriundos de múltiplas fontes como planilhas de Excel, software de gestão ou de relacionamento com clientes.

Esse processo permite otimizar a geração de relatórios e análise de grandes volumes de dados, facilitando a tomada de decisão. Assim é possível ter uma visão completa, e não apenas fragmentada, da situação da empresa.

# 4- Higienização

Uma pergunta importante a ser feita durante a implantação de um projeto de BI é: Qual o destino de todas as informações geradas pela empresa até hoje? Descartar tudo e começar do zero é praticamente impensável, como também deixar todos estes dados em um ‘arquivo morto’.

Para esses casos a etapa de higienização é a melhor saída. O trabalho consiste em definir parâmetros e depois unificar as informações que estão em diferentes bases: listas de clientes, fornecedores, produtos, informações cadastrais e também transacionais.

Tudo o que é útil será usado no BI: não haverá duplicidade de registros nem informações divergentes. Todos os dados terão as mesmas máscaras, formatações e de preferência, quando possível, a mesma granularidade. As informações certas estarão prontas para serem disponibilizadas no novo sistema, facilitando o seu uso.

# 5- Modelagem

Nesta etapa a inteligência faz toda a diferença. Na modelagem é realizada a filtragem das informações que já sofreram preparação, tratamento higienização, separando as úteis para o ambiente de negócios.

modelagem conduz as informações a uma etapa cubista onde os dados poderão ser levados a diversas dimensões. Caso seja escolhida a modelagem dimensional, é importante incorporar uma metodologia ágil como a Scrum ao processo tradicional.

Ela leva em conta as tendências mais recentes de User Experience, permitindo que o usuário acesse os dados de maneira simples e próxima de seu entendimento, com várias perspectivas possíveis, dentre elas o tempo e o espaço.

# 6- Visualização do dashboard com indicadores

Esta é a última parte de um projeto de Business Intelligence, conectando o software  ao repositório de dados. É por essa interface que são disponibilizadas as visualizações inteligentes e dinâmicas, sendo possível até mesmo a geração de relatórios.

Seguir todos os passos acima será a garantia de oferecer uma ferramenta que trará análises conclusivas e não um emaranhado de dados e estatísticas. Um grande diferencial para a tomada de decisão ágil e assertiva.

O intuito de adotar uma solução de BI é integrar todos os dados da empresa, criando uma central de inteligência. Agora que você conhece todos os passos necessários para a  criação de uma ferramenta realmente efetiva, continue lendo o blog da Abyt Holder para conhecer mais sobre o mundo da análise de dados!

Mais simples do que Excel: como o BI facilita a análise de dados

Não existe tomada de decisão certeira sem uma precisa análise de dados, certo? Mas você já parou para pensar na infinidade de ciladas que o uso do Excel pode trazer para a gestão de marketing da sua organização?

Se você é o gestor da área é provável que se baseie em uma série de indicadores para gerenciar e mensurar os resultados das ações de marketing advindos de diversas fontes como redes sociais, mídia impressa, inbound marketing, além dos anúncios e campanhas feitos em outros diversos canais de comunicação.

Ao usar o Excel, cada vez que você quer analisar um dado ou ter uma visão unificada do desempenho de uma ação, perde-se muito tempo importando e exportando planilhas e ainda corre o risco de perder informações valiosas, usando dados manipulados ou errados.

Concentre as análises em um único lugar

É nesse ponto que o Business Intelligence (BI) se apresenta como uma solução fundamental. Por ser uma plataforma de uso intuitivo, permite cruzar as informações de seu interesse e criar diversos cenários, o que torna mais simples a análise preditiva e até mesmo a possibilidade de solucionar problemas rapidamente.

Além disso, o Business Intelligence facilita a criação de relatórios dinâmicos, com gráficos ilustrativos, deixando as reuniões mais atrativas e de fácil compreensão.

Com o BI é muito mais fácil imputar, cruzar e analisa. Concentre as análises em um único lugar

É nesse ponto que o Business Intelligence (BI) se apresenta como uma solução fundamental. Por ser uma plataforma de uso intuitivo, permite cruzar as informações de seu interesse e criar diversos cenários, o que torna mais simples a análise e até mesmo a possibilidade de solucionar problemas rapidamente.

O grande diferencial do BI é que você tem acesso a análises mais complexas do que o Excel pode fazer, cruzando vários dados ao mesmo tempo para extrair insights que, de outra forma, seriam muito difíceis de identificar. Além disso, o Business Intelligence facilita a criação de relatórios dinâmicos, com gráficos ilustrativos, deixando as reuniões mais atrativas e de fácil compreensão.

Com o BI é possível tomar decisões com maior assertividade, reduzindo as incertezas do negócio e maximizando os resultados da sua organização.

Identifique as tecnologias essenciais

implementação do Business Intelligence começa com a identificação das tecnologias que armazenam e geram dados na empresa.

Sistemas de gestão, como ERP, CRM e Projetos; ferramentas de automação de marketing; sistema de call center; plataformas de atendimento on e off-line; entre outras soluções, devem ser listadas. Essas serão suas fontes de informação principais, de onde vêm dados importantes sobre o desempenho da organização, a percepção dos consumidores e o comportamento do mercado.

O passo seguinte é contratar uma solução de  BI que seja capaz de receber e acessar informações dessas plataformas, ou seja, sua central de inteligência. É nesse “cérebro” que o conhecimento da organização vai se transformar em vantagem competitiva, por meio de análises constantes e otimização de processos.

Certifique-se de que a tecnologia adquirida poderá conversar com todos os sistemas que a empresa utiliza ou, na impossibilidade de integrar uma ferramenta, considere substituí-la. O investimento se justificará no curto prazo com maior eficiência, produtividade e redução de custos com falhas e retrabalho.

Treine seu time

Nem a melhor tecnologia do mundo poderá fazer milagres se o seu time não estiver pronto para interpretar os insights que o Business Intelligence irá gerar. Criar uma cultura de análise de dados é essencial para que as pessoas se habituem a não fazer as coisas no impulso, mas sim, analisando cenários e tendências.

São essas questões que devem ser levantadas com o auxílio do BI: quais investimentos de marketing estão contribuindo efetivamente para os resultados financeiros; qual é o perfil dos consumidores que geram maior ticket médio; quais canais de comunicação são mais eficazes em gerar leads qualificados; quais são as épocas do ano que sua empresa tem aumento ou redução de entradas e por que.

O Excel pode te ajudar nisso? Muito difícil, pois ele não possui as funcionalidades que permitem confrontar dados estruturados e não-estruturados, resultando em análises precisas. Os insights acabam sendo fruto de análises subjetivas de quem está interpretando os dados.

Ao integrar o BI as plataformas disponíveis, essa análise muda de figura. Saiba como no próximo item.

Painel de controle

Imagine, em um único painel, você conseguir visualizar o resultado de uma campanha em cada capital, tendo a possibilidade de controlar os produtos que foram mais vendidos, os que tiveram menor participação de mercado e ainda conseguir analisar como foi o desempenho do seu principal concorrente nestas regiões?

Isso é possível com o uso do BI e da criação de dashboards. Quando se utiliza uma única plataforma para analisar as informações, você tem a possibilidade de contar com um painel de controle que pode ser consultado a qualquer momento, permitindo o cruzamento de dados e a criação do cenário que for mais conveniente para a situação.

Além das métricas de vaidade, que enchem os olhos, mas não o caixa da empresa, você pode ter, na mesma tela, o desempenho financeiro de cada campanha, canal de comunicação ou produto. A apresentação dos dados se torna muito mais consistente e intuitiva, facilitando a compreensão de todos sobre a contribuição de cada ação de marketing para os objetivos estratégicos da organização.

O dashboard se torna seu maior aliado nas reuniões com a diretoria, onde é preciso justificar o orçamento de marketing, a aquisição de ferramentas ou a contratação de novos colaboradores. E tudo isso em tempo real, então não há receio em apresentar resultados a qualquer momento. Tudo o que você tem que fazer é selecionar as informações e apresentá-las.

Essas possibilidades de integração e coordenação de informações tornam a gestão da área mais dinâmica e assertiva, potencializam a visibilidade e credibilidade do marketing dentro da companhia. Agregue inteligência na análise dos dados das suas campanhas e veja o marketing se tornar realmente estratégico!

 

Como funciona a implementação de uma solução de BI em finanças?

Uma solução de BI faz mais do que só coletar e processar um volume grande de dados. Por meio dele, é permitido aos gestores otimizar processos e formular estratégias que consigam ajudar a empresa a sobressair no mercado.

Por influenciar diretamente nos resultados das organizações, as fases da implementação devem ser todas realizadas com zelo. Saber quais os critérios para sua utilização, o que a ferramenta BI pode fazer pelos seus negócios, quais áreas da organização estão carecendo de cuidados. Todas essas questões precisam estar esclarecidas antes de escolher a ferramenta.

Na área de finanças, os profissionais utilizam dos dados coletados para auxiliar na tomada de decisões, ajudar as empresas a diminuírem custos e aumentarem a sua rentabilidade.

Se você não sabe o que é necessário para implementar uma solução de BI para a área de finanças e nem quais os benefícios da ferramenta, descubra isso e muito mais lendo esse post!

Critérios para a implementação

Antes da implementação de uma ferramenta de BI, é importante que os gestores tenham esclarecido quais critérios os levaram a optar pela ferramenta. Entre os principais estão:

1) ESCLARECIMENTO DOS OBJETIVOS

Definir os objetivos, e saber no que um sistema de BI vai ajudar nos negócios é o primeiro passo. Essa é uma etapa extremamente importante, pois esse esclarecimento auxilia os profissionais a compreenderem quais áreas da empresa estão carecendo de atenção.

Identificar os problemas possibilita direcionar melhor as estratégias, o que contribui para o desenvolvimento de processos e na resolução de adversidades.

2) SELEÇÃO DA EQUIPE

Uma equipe capacitada e experiente faz toda a diferença. No caso dos profissionais não conseguirem ou não saberem explorar a ferramenta direito, a organização pode acabar tendo de arcar com prejuízos que podem ir da perda de dinheiro, perda de oportunidades ou até mesmo desvalorização da marca.

3) QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS

A forma mais eficiente de montar uma equipe qualificada é por meio de treinamentos e cursos de capacitação. Além disso ao engajar o seu time, eles passam a ter maior facilidade para compreender informações e produzir relatórios mais consistentes e seguros.

4) ESCOLHA A SOLUÇÃO CERTA DE BI

Uma ferramenta inovadora de Business Intelligence é capaz de organizar e criar relatórios personalizados e dashboards dinâmicos para explorar um volume grande de dados. Por meio das informações coletadas, os gestores conseguem encontrar insights significativos, que corroboram para decisões mais certeiras e livre de falhas.

Business Intelligence e a área financeira

Em vez de desperdiçar horas na elaboração de relatórios e coleta de dados, os profissionais de finanças podem usar o BI para focar no que realmente é importante: análise das informações. Além disso, otimizando o processo produtivo, os gestores conseguem direcionar estratégias ao mesmo tempo que orientam outros departamentos.

Como os dados manuais são suscetíveis a erros, a área financeira pode utilizar do BI para apontar dados mais concisos e exatos sobre os lucros. Com a ferramenta, as equipes conseguem identificar quais produtos e serviços estão agregando valor para os negócios, trazendo rentabilidade.

Não só isso, o business intelligence permite realizar a verificação de todos os processos que estão funcionando e daqueles que ainda precisam ser revisados. O gestor pode sugerir, por exemplo, novos investimentos baseando-se nos dados extraídos dos painéis de indicadores e dashboards.

A solução permite também que seja realizada uma comparação entre os resultados obtidos no período com os coletados no ano anterior. Esse tipo de informação é algo que ajuda os profissionais de finanças a entender se a empresa está alavancando ou perdendo resultados.

Vantagens do BI na área de finanças

Uma ferramenta de análise permite aos gestores acessar dados mais consistentes e significativos, certo? A empresa que decide implementar um BI está, automaticamente, fornecendo aos profissionais benefícios relacionados à eficiência, economia e rentabilidade.
Entre algumas das vantagens de BI na área financeira, estão:

MAIOR PRAZO PARA EXAMINAR FALHAS

A equipe de finanças trabalha para detectar erro nos dados, conseguindo assim bolar estratégias para impedir que problemas ocorram ou se repitam;

DISPONIBILIDADE PARA ANÁLISE DE RELATÓRIOS

Os gestores possuem mais tempo para compreender informações, influenciando na tomada de decisões mais assertivas sobre investimentos e desenvolvimento de produtos.

ANÁLISE DE INDICADORES

Os profissionais conseguem examinar Indicadores Econômicos para demonstrar o progresso da empresa e Indicadores Financeiros que ajudam a calcular a quantidade de dinheiro em caixa, e como a organização está se comportando no mercado. Além disso, Indicadores para Análise de Investimentos, que auxiliam os gestores na tomada de decisões para escolher o investimento certo.

TRANSPARÊNCIA SOBRE OS LUCROS

Seja sobre a captação de clientes, vendas de produtos ou serviços prestados, os profissionais de finanças sabem exatamente qual a rentabilidade que a empresa conquistou em determinado período. Como as análises são realizadas por meio de dados, as chances de ocorrerem falhas ou erros nos relatórios é praticamente nula.

PREVENÇÃO CONTRA POSSÍVEIS PENALIDADES

A implementação de uma ferramenta de BI previne os profissionais para que não sofram multas ou qualquer cobrança relacionada à não aplicação de controles corretos — como é o caso de auditores que realizam a verificação das atividades, livros contábeis, e outros.

Percebe como os benefícios da ferramenta vão além do que só os exemplos acima? Está preparado para também implementar um sistema Business Intelligence na sua empresa e ver a sua lucratividade aumentando?

Para conhecer mais sobre a implementação de um BI e quanto tempo demora para a implementação, entre em contato com um de nossos especialistas e descubra como essa ferramenta pode alavancar o seu negócio.

Financeiro estratégico? Alie tecnologia e credibilidade

Mudanças no mercado fazem com que a área financeira venha a transformar sua atuação, deixando para trás os tempos em que era responsável apenas por rotinas operacionais. A atuação estratégica é cada vez mais exigida. Neste contexto, abusar de tecnologia para ter credibilidade é essencial para que a área financeira torne-se mais estratégica para a companhia e acompanhe as tendências de mercado.

Em 2010Warren Buffett (investidor, filantropo norte americano, presidente da Berkshire Hathaway e um dos homens mais ricos do mundo) disse que “Não importa o quão sereno o dia possa ser, o amanhã é sempre incerto. Não deixe esta realidade assustar você”. Estamos em 2018, e com toda a evolução da tecnologia, é por meio de processos automatizados e confiança que informações consistentes tornam o dia seguinte mais previsível.

Algumas ferramentas podem auxiliar a área financeira no desempenho das rotinas do dia-a-dia, tornando a atuação mais estratégica e, fornecendo insights sobre o negócio da empresa.

Optar por uma ferramenta de analytics, fornecedora de dados consistentes e confiáveis irá auxiliar a área de finanças de sua companhia a mudar seu formato de atuação e transmitir uma imagem positiva para stakeholders. Para que isso aconteça, é preciso aliar processos automatizados e confiança, além de utilizar as melhores ferramentas analíticas e desenhar processos corretos.

Como aliar tecnologia e credibilidade?

Para que uma área de finanças transmita uma imagem positiva para stakeholders, é preciso estar sempre com os números da empresa à disposição, e com prontidão apresentar dados para decisões estratégicas importantes da companhia. Para ter credibilidade na companhia, é preciso apostar em ferramentas tecnológicas e implementar uma ferramenta de BI (Business Intelligence) que proporcione o acesso às informações da companhia.

Para escolher uma solução de BI que atenda as necessidades de sua empresa, listamos 2 considerações importantes para você refletir sobre a escolha da melhor ferramenta para ter maior credibilidade em suas rotinas.

  • Integração de dados: procure conhecer a ferramenta e quais suas possibilidades para acessar diferentes fontes de dados. A solução escolhida deve integrar dados das ferramentas já utilizadas em sua companhia, como o ERP, por exemplo. Mas também precisa acessar dados, estruturados ou não, de fontes externas, para possibilitar a geração de insights mais valiosos para sua tomada de decisão.
  • Dashboards de gestão: quais são as informações necessárias para a área financeira de sua empresa? Quais números devem ser apresentados aos stakeholders? A ferramenta escolhida deve ser capaz de dispor essas informações com agilidade e segurança. Certifique-se que a ferramenta disponha de gráficos, para melhor apresentação dos resultados aos stakeholders e, contribua para a tomada de decisões estratégicas da companhia.

É importante considerar que uma ferramenta de BI deverá proporcionar o aproveitamento da inteligência coletiva de toda a organização, com análise de informações globais da empresa. A ferramenta de BI da Qlik, por exemplo, representa a possibilidade de integração de dados da companhia como um todo. O objetivo é garantir o envolvimento das pessoas, dados e ideias, para proporcionar a todos os interessados o acesso a informações consistentes e confiáveis.

A ferramenta representa também evolução nos processos de análise e tomada de decisão, pois proporciona atuação mais ágil e dinâmica, por meio de um modelo associativo.

Conheça as vantagens de terceirizar a implementação do BI

As ferramentas de BI têm conquistado um espaço cada vez mais importante no universo dos negócios. Mas, entre alguns gestores ainda existe a falta de priorização de projetos de BI. Seja em razão do custo, seja por causa do tempo estimado para começar a utilizar a solução.

Além disso, segundo pesquisa do Gartner, muitas organizações estão usando várias tecnologias de analytics e business intelligence (BI) de uma forma ineficiente.

Então, por que não terceirizar a implementação do seu BI com uma ferramenta como o Qlik Sense, garantindo tanto a expertise do fornecedor quanto os resultados e evitando erros que só causam dor de cabeça?

Erros que devem ser evitados numa implementação de BI

Mesmo quando a organização tem uma equipe de TI pronta para atender as demandas, implementar BI internamente pode ser um tiro no pé. Muitos problemas podem ser evitados quando se contrata uma empresa especializada. Isso sem falar do alto custo de desenvolvimento interno. Veja 5 erros a serem evitados:

1. FALTA DE PLANEJAMENTO NA IMPLEMENTAÇÃO

Implementar a ferramenta de BI não é apenas comprar um software e instalá-lo. Você precisa definir muito bem os objetivos da empresa ao fazer esse investimento e como a solução poderá contribuir para alcançar os resultados almejados.

Como o BI pressupõe a integração de uma série de outras ferramentas, você também deve ter uma visão sistêmica da empresa, compreendendo como cada recurso poderá contribuir e alimentar o Business Intelligence para maximizar o seu uso.

2. SUBUTILIZAÇÃO DO SISTEMA

Uma vez implementado, um dos erros cometidos é subutilizar o sistema. A equipe que não foi preparada para compreender a importância e o funcionamento da ferramenta mantém controles dispersos em planilhas e outros sistemas. Daí, no momento de alimentar o BI com informações relevantes, deixa campos em branco ou ainda preenche com dados inconsistentes.

Assim, quando for gerar relatórios que poderiam auxiliar na tomada de decisão, você tem um monte de dados que não correspondem à realidade do seu empreendimento. Isso conduz a conclusões equivocadas e que podem impactar negativamente o seu negócio.

Com a Qlik, você tem mais facilidade de gerar relatórios gráficos, graças ao seu motor cognitivo de inteligência aumentada. A própria solução é capaz de criar análises baseada em seus dados e auxiliar o usuário a maneira mais adequada de visualizar seus dados.

3. FALTA DE INTEGRAÇÃO DO BI A OUTRAS FERRAMENTAS

O BI é formado pelo conjunto de tecnologias que você utiliza para coletar, processar e analisar dados de uma série de fontes, como clientes, fornecedores, mercado, ERP, CRM, Automação de Marketing, Gestão de Projetos, entre outros.

Mas se você não integra todas essas ferramentas ao BI, não aumenta sua capacidade de confrontação de dados, tampouco de análise dessas informações. Portanto, no momento de implementar a solução na sua empresa, tenha certeza de que todas as soluções utilizadas podem e serão integradas ao Business Intelligence.

Ao implementar a ferramenta Qlik Sense, em vez de os registros ficarem espalhados pelos diversos setores, eles podem ser acessados para análise dentro de uma única plataforma. Com isso, são gerados relatórios a partir de dados coletados de todas as áreas da empresa.

4. AUSÊNCIA DE UM PROFISSIONAL QUALIFICADO

Alguns dos erros mais comuns na implementação doméstica da ferramenta de BI é a crença de que é possível adotar a solução sem o acompanhamento devido. Simplesmente cadastrar sua empresa em um BI na nuvem e começar a preencher os dados não garante o sucesso da sua iniciativa. É necessário ter um profissional qualificado que entenda o funcionamento da ferramenta e que auxilie no processo de integração das informações.

Nos primeiros meses de uso, é fundamental que haja um acompanhamento da implementação. É preciso verificar se as pessoas estão utilizando o BI da maneira correta e se a cultura de análise de dados está internalizada. Se não, veja se é necessário desenvolver treinamentos que facilitem e potencializem o uso da ferramenta para extrair os melhores resultados.

5. SEGURANÇA DAS INFORMAÇÕES

Outra questão a ser considerada é, sem dúvida, a segurança. Muitas empresas focam no desenvolvimento e ficam ansiosas em terem logo a solução. Com isso, acabam “esquecendo” do fator crítico para o sucesso do projeto: a segurança das informações.

Essa questão, por vezes vista como desnecessária, pode gerar uma enorme dor de cabeça futura aos gestores. Por isso, no planejamento, esse quesito sempre deverá ser considerado. Não levar isso em conta representa alto risco de desenvolvimento interno.

O Qlik Sense permite análises não hierárquicas de dados, ou seja, em que as consultas não foram construídas em uma ordem específica (como ano/trimestre/mês). Com isso, você deixa de ter intervenção humana, o que garante muito mais segurança aos dados, garantindo compliance na empresa.

O mais seguro é partir para a terceirização

Após todas as ameaças e problemas que uma implementação doméstica pode acarretar, o ideal é partir para uma solução pronta. Com a contratação de uma empresa especializada, a equipe de TI aparece como facilitadora do processo e responsável por aspectos internos. Mas sempre contando com a expertise de fornecedor, software e consultoria de uma empresa renomada.

De acordo com estudo feito pela consultoria Frost & Sullivan, no estudo Brazilian IT Outsourcing Market, Forecast to 2021, o segmento de terceirização de serviços de TI, que corresponde atualmente a 48,5% do setor, deve chegar a uma receita de US$ 7,96 bilhões até 2021. A pesquisa mostra os impactos das recentes inovações tecnológicas, cenário de negócios e economia que podem impulsionar ou restringir a adoção do modelo de terceirização.

De acordo com a consultoria, o cenário econômico brasileiro influenciou o desempenho do mercado de serviços e forçou as companhias a reduzir os gastos, focar na manutenção da operação e aumentar a eficiência. Como resultado, o negócio passou dos serviços de TI tradicionais para novas plataformas e tecnologias que oferecem uma implementação mais rápida a preços mais competitivos.

As interfaces de BI de autoatendimento geram resultados impressionantes

Um estudo do Gartner lança luz sobre a importância das interfaces de BI de autoatendimento. As ferramentas estão produzindo mais informações de análise que os cientistas de dados hoje. E revela que o BI ajuda as empresas a se diferenciarem no mercado e a criar uma cultura empresarial baseada em dados.

Uma solução de BI de autoatendimento simplifica a maneira de analisar e de correlacionar os dados indicadores de desempenho de forma colaborativa e inteligente. A implementação da solução proporciona mais rapidez e assertividade na gestão de um negócio, favorecendo seu posicionamento perante a concorrência.

Dotada de uma metodologia chamada Business Analytics, O Qlik Sense é mais intuitiva que as concorrentes e oferece mais usabilidade. Ela faz a integração de dados de diferentes sistemas de informação de sua empresa para criar aplicativos e painéis de análise interativos.

Sem precisar de ferramenta acessória, a Qlik faz o processamento de extrair, transformar e carregar (ETL, Extract, Transform and Load, na sigla em inglês) dados vindos de fontes diferentes.

Em vez de os registros ficarem espalhados pelos diversos setores, eles podem ser acessados para análise dentro de uma única plataforma. Com isso, são gerados relatórios a partir de dados coletados de todas as áreas da empresa.

Na era digital, a solução de BI self-service se destaca, com ganhos consideráveis em tempo e redução de custos. E as tendências futuras incluem novos desenvolvimentos e integrações. O que significa que não se pode perder tempo.

É hora de as organizações pensarem sobre como capitalizar essas tendências de business intelligence em suas organizações e ajustar suas operações de acordo.
As vantagens da terceirização da implementação de BI é apenas o começo. Está na hora de tomar decisões certeiras para fazer seu negócio crescer.

A importância da qualidade de dados em projetos de BI

A qualidade de dados é um fator-chave para obter sucesso na gestão de uma empresa. Afinal, grande parte das decisões importantes são tomadas de acordo com os dados que foram coletados e posteriormente analisados.

Se os dados são ruins, os relatórios e as decisões serão igualmente ruins e poderão prejudicar as análises da empresa. Entretanto, se eles forem limpos – termo utilizado quando há qualidade de dados -, as chances de sucesso são muito maiores. Isso porque eles são confiáveis e permitem uma análise muito mais precisa de todo o ambiente do negócio.

Abaixo, explicaremos o que é qualidade de dados e mostraremos algumas maneiras de autenticá-los. Abordaremos, ainda, sobre os problemas comuns que podem ser evitados no momento em que há preocupação efetiva com as informações que são registradas.

O que é qualidade de dados?

Qualidade de dados é o valor atribuído às informações que são disponibilizadas. Ela pode ser determinada pela forma com que foram elaboradas, inseridas, manipuladas e até armazenadas.

É essencial elevar as taxas de dados limpos em projetos de Business Intelligence (BI) porque são eles que norteiam as decisões e mudanças de processos. Por este motivo, as empresas precisam revisar e atualizar suas bases com frequência.

Quando há muitos dados incompletos, incorretos, imprecisos ou mesmo irrelevantes, pode ser necessário realizar um processo de limpeza ou lavagem de dados, que consiste em atualizar o que for possível e excluir aquilo que for irrelevante.

Apesar de dificilmente ser possível obter dados 100% limpos, esse processo de higienização ajuda a melhorar a qualidade das informações para torná-los o mais adequado possível para o uso.

Existem alguns fatores que autenticam a qualidade de dados, ou seja, que demonstram que se tratam de dados limpos. Falaremos sobre eles a seguir!

6 maneiras de metrificar a qualidade de dados

1. Completude

Um banco de dados com ausência de informações não é algo incomum. Porém, se o que está faltando é essencial, a integridade da qualidade de dados é questionável.

Por exemplo, ao cadastrar um cliente, o campo de nome é considerado de preenchimento obrigatório. Caso ele não conste, aquele registro se torna irrelevante. Entretanto, se for adicionado o nome, mas o cargo, que é opcional, for deixado em branco, o cadastro pode ser considerado completo e, portanto, limpo.

2. Conformidade

Os dados estão de acordo com os padrões estipulados como ideal? É importante manter uma conformidade de formato, estrutura e nomenclatura para facilitar o compartilhamento e gerenciamento interno.

3. Precisão

Esse é um dos fatores mais importantes na qualidade de dados. Isso porque informações incompletas, ortografia incorreta, dados desatualizados, entre outras falhas, podem desencadear em análises imprecisas.

Em projetos de Business Intelligence (BI), isso pode causar grandes prejuízos. Portanto, é importante ter precisão ao registrar os dados para que seja possível validar a sua qualidade.

4. Oportunidade

Quando dados estão limpos, significa que, além de corretos, estão atualizados. Isso pode gerar oportunidades de negócio e novas vendas. Por exemplo, ao manter o cadastro de um cliente sempre em dia, é possível saber quando e o que foi a sua última compra e, assim, procurá-lo após um período pré-determinado ou oferecer algo complementar.

5. Consistência

Quando uma empresa possui mais de um sistema, as informações que constam em todas devem ser as mesmas. Caso um dos bancos de dados demonstre que determinado cliente está ativo e em outra ferramenta ele aparecer como inativo, há inconsistência de informações e o processo deve ser reavaliado.

6. Integridade

Integridade consiste em possuir dados válidos, que podem ser rastreados e conectados entre si. Por exemplo, ao realizar uma venda, no cadastro devem constar as informações pessoais do cliente e da venda em si. Ou seja: o que ele adquiriu, quanto gastou, entre outros. Quando há somente as informações do cliente ou vice-versa, o registro não é considerado válido e pode, inclusive, gerar duplicidades posteriormente.

De que forma a má qualidade de dados pode prejudicar as empresas

Para serem considerados de qualidade, os dados devem estar adequados para serem utilizados em planejamentos, análises e tomadas de decisão. Portanto, precisam ser isentos de defeitos e de fácil interpretação.

Quando os dados não seguem essas regras, o futuro da empresa pode ser prejudicado. Imagine a seguinte cena: o CEO esteja analisando os números referentes ao faturamento para avaliar qual equipe está com melhor desempenho. Se os dados estão deturpados, o resultado não vai condizer com a realidade e uma equipe pode ser valorizada, ou o contrário, sem merecer.

As informações incorretas podem levar a gerência a definir novos investimentos, cortes de gastos e ampliações de forma equivocada.

A má qualidade de dados também pode causar danos à estratégia de marketing. Dependendo da ferramenta utilizada, o volume de informações é muito grande – mas nem sempre retrata aquilo que a empresa precisa. Será que todas as pessoas que acessam o website institucional, por exemplo, são potenciais consumidores?

Para evitar esses e outros problemas que podem afetar diretamente no negócio, o ideal é adotar algumas precauções simples, porém eficientes. Confira como fazer isso.

Como evitar os problemas na qualidade de dados

A má qualidade de dados pode ser evitada ao incorporar na empresa algumas ações simples. Uma delas é a chamada limpeza ou higienização de dados. Ela consiste em segmentar, organizar e limpar os dados que se encontram inadequados. Essa ação permite:

  1. Identificar e eliminar dados duplicados;
  2. Padronizar as informações;
  3. Validar dados;
  4. Eliminar espaços em branco, acentuações e outros erros a fim de facilitar a leitura e padronizar a formatação dos dados.

Além desse processo, existem outras dicas que podem ser úteis. São elas:

  • Estipule regras claras para o cadastramento de dados e treine todos os colaboradores, deixando claro a importância de ter dados limpos;
  • Configure a tecnologia para que não aceite o registro até que todos os campos essenciais estejam preenchidos;
  • Escolha um framework e uma metodologia de análise de dados adequados;
  • Faça testes A/B, a fim de comparar duas versões de um mesmo experimento e entender as diferenças existentes.

Contar com uma tecnologia moderna de categorização e integração de dados também é essencial e pode facilitar muito o processo de padronização para obter qualidade de dados.

O avanço da tecnologia como fator lucrativo

Cada vez mais, independentemente do tamanho e segmento no mercado, os dados são considerados o principal fator decisivo para embasar as decisões, eles fornecem informações que possibilitam os gestores tomarem nota sobre qualquer área, bem como se utilizam deles para avaliar resultados positivos ou negativos.

As organizações lidam atualmente com um acontecimento inédito: nunca houve uma quantidade tão massiva de dados e informações como nos dias de hoje. É um cenário positivo, porém preocupante, pois analisar dados deve ser uma ação precisa e efetiva para que os resultados sejam concretos e duradouros. Pouco a pouco os empreendedores têm voltado à devida atenção a essa evolução dentro das organizações, afinal, não é vantajoso apenas ter um grande fluxo de informações. Interpretar e analisar os dados minuciosamente é fundamental, pois essa é uma das formas mais eficazes de nutrir os direcionamentos, planejamentos e iniciativas de um negócio. A empresa ganha na visualização de indicativos e obtém materiais confiáveis com embasamento, na qual desenvolvem estratégias e tomam decisões assertivas.

Claro que nenhum empreendedor é obrigado a implementar as diretrizes da análise de dados. Isso se estende também a utilização das tecnologias. No entanto, conheça alguns dos riscos que o negócio corre ao não efetuar a análise correta das informações:

  • Perder prazos de entregas de produtos e serviços aos clientes;
  • Ter seus esforços depositados em serviços que não solucionam problemas, desperdiçando tempo e dinheiro;
  • Criar produtos e serviços que não estão de acordo com as necessidades do cliente;
  • Não aproveitar os “Gaps” do mercado;
  • Não ocupar um lugar de destaque no segmento atuante;
  • Fazer a rentabilidade da empresa ser limitada;

       
Independentemente de ser por meio de uma tecnologia aplicada ao negócio ou através de uma empresa terceirizada, é imprescindível para a saúde e sucesso das futuras estratégias aplicar a análise de dados a todas as iniciativas que porventura venham ser tomadas.
Os impactos positivos causados pela coleta de dados são inúmeros:

  • São gerados dados a respeito do mercado de atuação, suas tendências, novas demandas, possíveis crises etc;
  • Informações sobre potenciais clientes são fornecidas, jornada de compra, quais são seus desejos na hora de consumir, como se comportam, quais são suas necessidades, entre outros fatores;
  • A empresa passa a ter capacidade para desenvolver ações e estratégias para melhorar seus processos e reter talentos, pois dados sobre o desempenho, serviço de entrega, satisfação dos colaboradores, recrutamento, eficiência dos departamentos, clima organizacional, atendimento ao cliente, nível de produtividade, etc, são fornecidos;
  • Disponibiliza informações para que a empresa utilize da melhor forma seus recursos financeiros e assim, evite gastos desnecessários e negociações ineficazes, além de minimizar os riscos de falência;
  • Permite o desenvolvimento de novos produtos/serviços capazes de satisfazer as necessidades e expectativas do público-alvo;
  • Concede informações a respeito da concorrência para o aperfeiçoamento de estratégias, ações e soluções que garantam um melhor posicionamento à organização perante empresas do mesmo segmento;
  • Direciona o marketing da organização pois, através dos dados fornecidos, a mesma distingue em quais canais de comunicação deve estar presente, desenvolve estratégias de comunicação personalizadas, fortalece sua imagem e se torna mais visível.

Com o avanço da transformação digital, existem ferramentas capazes de coletar dados, estruturá-los, analisá-los e disponibilizá-los de forma a proporcionar as empresas mais visibilidade e poder com suas próprias informações. É essencial entender todas as etapas da Jornada de Dados, quando você explora toda a capacidade por trás de seus dados, além de análises avançadas, você obtém otimização de processos e integração entre as áreas.

Dados: todos são capazes de compreendê-los!

A democratização de dados nada mais é do que grande parte das pessoas dentro de uma empresa ou negócio tendo acesso aos dados coletados. Isso faz diferença?

Quando todos os dados coletados numa organização podem ser analisados por mais pessoas, as iniciativas e novas estratégias crescem em seu negócio. Assim, o consumidor ganha, pois ele tem suas expectativas atendidas, junto com a organização.

Não faz muito tempo os dados pertenciam apenas às equipes de TI, caso alguém de fora desse setor necessitasse acessar tais informações, era preciso passar por eles primeiro.

Mudanças aconteceram nos últimos tempos e devido a inovações no campo tecnológico, até os que não são especialistas em Tecnologia da Informação conseguem interpretar os resultados de análise de dados.

Por isso, muitos profissionais defendem o uso da democratização de dados, afinal ela pode mudar tudo para melhor.

Democratização de dados: o que é?

Há algum tempo, transformar dados em informações relevantes só era possível por intermédio do desenvolvimento de grandes soluções corporativas e por empresas que possuíam grande capacidade de investimento.

Todavia essa realidade já passa por constante transformação, e para cada tipo e tamanho de corporação, existem sistemas comercializados a custos competitivos. Com eles, é possível deter informações que antes eram inalcançáveis.

A democratização de dados possibilita a criação de uma maior colaboração entre diversas áreas de um negócio, com a eliminação dos silos, porém respeitando as devidas categorizações da informação no que tange segurança e propriedade. A parte gerencial deve alocar recursos, treinar e avaliar seu desempenho.

As equipes de vendas e de produtos podem assumir a melhor tática dos seus esforços e ajustar e priorizar em conformidade com a necessidade do mercado. Os executivos em geral expandem sua sensibilidade em relação à satisfação geral do cliente.

As vantagens que democratização de dados traz para sua empresa

A análise de dados está cada vez mais presente na rotina organizacional de qualquer empresa. Afinal, a transformação digital é uma revolução corrente nos dias de hoje. Está mais do que claro, a revolução de dados está mudando as empresas profunda e inexoravelmente.

Tomadas de decisão assertivas:

de maneira geral, o maior ganho da visualização de dados é embasada na melhoria da tomada de decisão. Essa tomada de decisão não é apenas feita mais rapidamente (e mais barata), como também se alicerça em precisão. Sendo assim, a ocorrência de quaisquer possíveis erros será reduzida.

Gestão assertiva:

quando a tomada de decisão melhora, a gestão também comete menos erros em sua atuação. Contudo atenção: a margem de erro reduz, mas não desaparece. Portanto, quanto melhor for à visualização dos dados, mais preparada estará à gestão para decidir sobre qualquer assunto.

Clientes satisfeitos:

o grande objetivo de qualquer empresa é atrair, converter e fidelizar todos os clientes. Todavia para que isso seja possível, faz-se necessário que os clientes estejam satisfeitos com os serviços prestados ou com o produto oferecido.

A democratização de dados garante satisfação do cliente, a partir do momento em que ele tem suas necessidades atendidas, tudo entra em harmonia. Focando na experiência do consumidor, a impressão positiva sobre a empresa é garantida.

Democratização de Dados e Data Literacy

Com a evolução de todas as tecnologias em geral, muitas empresas vêm negligenciando o principal ativo de qualquer negócio: o capital humano.

Mesmo que a análise de dados traga um diferencial significativo para a organização, não se deixa de lado o que opera por trás de tudo isso: as pessoas.

Mesmo que o negócio seja orientado a dados, a cultura organizacional é orientada por pessoas. Para tornar a inserção de novos softwares e recursos tecnológicos realmente produtivos, todos os colaboradores devem se sentir capazes e confiantes para utilizá-los da melhor maneira, reconhecendo seus benefícios e para serem promotores das iniciativas data-driven dentro da empresa.

Logo, a alfabetização de dados é primordial. Data Literacy é a capacidade de ler, entender, criar e comunicar dados como informação. Assim como a alfabetização como um conceito geral, a alfabetização em dados se concentra nas competências envolvidas no trabalho com dados.

É importante buscar incluir e envolver todos os setores na análise de dados, quebrando as barreiras e transpondo as questões técnicas para democratizar e desmistificar o acesso aos dados. Assim, a empresa se beneficia como um todo.

Preocupar-se em possuir uma cultura forte e saudável, preparando as pessoas para lidarem tranquila e eficientemente com decisões apoiadas sob essas informações são pontos estratégicos não só para erguer um ambiente corporativo agradável, mas também otimizar os resultados.

A Abyt Holder é sua principal parceira e tem como foco levar a transformação digital para aumentar e colaborar com o crescimento de sua empresa por meio dos dados. Estamos preparados para trazer à você o que há de melhor nesse campo!