4 dicas para você ter um “boom” nas vendas da Black Friday

Segundo pesquisa da consultoria Ebit Nielsen, no ano passado, a Black Friday teve um faturamento de R$ 3,2 bilhões (23% superior à data promocional em 2018), enquanto a estimativa da edição de 2020 é ter um aumento de faturamento de 27% em relação a de 2019. 🤑

Além da popularização da maior data comercial do varejo mundial, esse otimismo também atravessa o contexto da pandemia, que foi um gatilho para 13% da população brasileira comprar pela primeira vez pela internet, enquanto outros 24% passaram a fazer mais compras em 2020.

Agora que você já entendeu que a Black Friday 2020 será uma ótima oportunidade para vender mais, confira as 4 dicas que preparamos para vocês!

1) Faça promoções verdadeiras

Seja na loja física ou na virtual, estudos apontam que o consumidor brasileiro tem o hábito de pesquisar antes de realizar uma compra, portanto, praticar preços promocionais é imprescindível para seu cliente não se sentir lesado, ter uma experiência negativa com sua marca e desconsiderar a compra.

2) Adapte sua plataforma para o mobile

Ter uma loja responsiva para o acesso mobile já não é uma opção para o lojista, é uma necessidade. Na Black Friday 2019, 55% das vendas foram realizadas pelo celular e a tendência é que esse número siga aumentando. Atente-se à navegação mobile do seu e-commerce e busque torná-la cada vez mais intuitiva.

3) Capriche na comunicação

Já diria o clichê: quem não é visto não é lembrado. Não adianta contar com ofertas imperdíveis e não comunicar ao seu público. Sendo assim, construa uma identidade visual para a Black Friday do seu e-commerce para anunciar suas ofertas e explore as diversas opções de divulgação pagas e gratuitas disponíveis, como as redes sociais, banners do site, parcerias com influencers, inserções patrocinadas, entre outras.

4) Trace uma estratégia de logística

O valor do frete e o tempo de entrega são dois dos mais frequentes motivos de desistência de compras virtuais, portanto, é fundamental contar com uma logística de frete eficiente.

Produtos na Black Friday: um checklist para a sua loja digital

O ShopSulMG quer ajudar você a vender mais na Black Friday. Por isso, estamos elaborando checklists estratégicos para que você não deixa nada passar! Já temos uma lista de aspectos tecnológicos que você precisa considerar no seu site.

E aqui, vamos conversar sobre o seu produto! Independentemente do que você vende, há sete itens fundamentais relacionados ao produto que sua loja online deve atender para vender bem na Black Friday.

1. Apresentação

Se seu produto não despertar o interesse do público, ele não será vendido! Por isso, o primeiro item do nosso checklist de produto para a Black Friday é a apresentação. Vamos começar com algumas perguntas importantes. Suas respostas vão ajudar você a elaborar boas apresentações!

  • Como você enxerga seu produto?
  • Como você gostaria que seu público enxergasse seu produto?
  • O que seu produto representa?

O objetivo dessas perguntas é ajudar você a sair do óbvio: por mais simples que seu produto seja, ele tem algum diferencial. E sua apresentação precisa partir desse diferencial.

Agora, partindo para uma parte mais objetiva e prática, a forma como um produto é apresentado ao público depende basicamente de fotos e descrições. Vamos conversar sobre isso?

2. Fotos

Para vender qualquer produto pela internet, as fotos são indispensáveis. Desde roupas até produtos eletrônicos, todos nós temos a necessidade de ver aquilo que pretendemos comprar.

Mas simplesmente ver o produto não é suficiente. Estamos cada vez mais acostumados a imagens glamourizadas que contam as histórias daquilo que desejamos comprar.

E é aí que entram as respostas daquelas perguntas. Além de produzir fotos de qualidade, use a criatividade para contar histórias por meio das fotos dos seus produtos!

A foto deve ser mais do que um recurso informativo, ela pode ser o fator de convencimento.

Por fim, lembre-se de que fotos com qualidade e criatividade podem ser produzidas de forma mais simples, caso seu negócio ainda não tenha recursos suficientes para contratar profissionais, modelos, softwares e equipamentos.

Um bom smartphone, uma luz natural, um fundo neutro e alguns amigos dispostos a ajudar podem ser o que você precisa para começar do jeito certo.

3. Descrição

Tire todas as dúvidas do seu público antes mesmo delas surgirem! A descrição dos seus produtos deve ser detalhada e verdadeira. Esses são os maiores princípios da apresentação do produto.

Muitos consumidores esperam a Black Friday para comprar produtos que já estavam em suas listas de desejos. Saiba que muitos procuram por coisas específicas e uma descrição superficial demais vai afastar esses consumidores.

Informe e convença – nessa ordem!

4. Divulgação

Como é o primeiro contato do público com o seu produto? A apresentação do que você vende não começa em sua loja online, mas sim na divulgação e no marketing que você faz.

Então, aplique essas duas dicas na divulgação dos seus produtos também! Faça das suas redes sociais uma primeira vitrine.

5. Preço

O fator mais importante para os consumidores da Black Friday é, sem dúvidas, o preço! E neste aspecto planejamento é fundamental! Para que o sua loja online atinja o equilíbrio entre uma boa promoção para o seu cliente e uma boa margem de lucro para você, nós vamos falar sobre esses dois temas.

6. Promoção

Já ouviu falar em “Black Fraude” ou na “metade do dobro do preço”? Falsos descontos podem dar mais prejuízo do que lucro para a sua loja virtual.

Buscadores de preços, pesquisas na internet e outras ferramentas digitais são os maiores aliados do novo consumidor digital. Descobrir que uma loja está oferecendo descontos falsos não é difícil.

Por isso, planeje seus descontos com cuidado para que, de fato, eles ofereçam alguma vantagem para o seu cliente. Lembre-se de que diminuir o valor de um produto não é a única forma de promoção.

Você pode:

  • Montar kits com mais de um produto e oferecê-los por um preço menor;
  • Oferecer frete grátis;
  • Oferecer descontos progressivos em que a cada produto a mais que o cliente compra, maior o desconto.

7. Lucro

A grande preocupação do lojista ao oferecer descontos é sua margem de lucro. Mas você sabe a maneira certa de calcular a margem de lucro do um produto? O cálculo errado pode acabar com a sua Black Friday.

Normalmente, você pensa em quanto quer lucrar a partir do preço de custo do produto, certo? Errado! A porcentagem que você incrementa ao preço de custo de um produto não é a mesma porcentagem que você vai lucrar. Entenda como acontece.

Markup X Margem de Lucro

A remarcação do valor de um produto é chamada de markup. Assim, se o preço de custo do seu produto (seja para revender ou de fabricação própria) é R$100,00 e você vai vendê-lo a R$130,00, o markup é de 30% e o valor do markup é R$30,00.

Mas isso não significa que sua margem de lucro é de 30%. O lucro, neste caso, é de 30%, mas a margem de lucro é calculada da seguinte forma:

MARGEM DE LUCRO = LUCRO BRUTO / RECEITA TOTAL

Margem de lucro: por valor percentual obtido da relação entre o lucro bruto e a receita total Lucro bruto: receita total – valor de custo Receita total: valor de custo + valor do markup

Assim, no exemplo anterior, a margem de lucro seria de 23% (30/130). Cuidado para não confundir markup e margem de lucro. Isso pode custar caro.

Garanta que todos os produtos da sua Black Friday atendam a estes sete aspectos e boas vendas!

Reabertura do comércio e a necessidade de uma estratégia de vendas multicanal

Desde maio, algumas cidades brasileiras estão flexibilizando o isolamento social e se preparando para a reabertura do comércio. Empreendedores de todos os segmentos aguardam ansiosamente o momento de abrir as portas de suas lojas físicas.

Mas especialistas apontam que uma das tendências do comércio após a pandemia é a permanência do digital e a adoção de estratégias de venda multicanal.

Isso significa que mesmo com a possibilidade de voltar ao mundo físico, a relevância do digital no comércio e no varejo vai permanecer. Essa tendência, impõe ao empreendedor a necessidade de estabelecer uma estratégia de venda omnichannel. Mas o que é e como aplicá-la no seu negócio?

O que é multicanal?

Não é de hoje que a internet tem transformado a forma como consumimos: o comportamento do consumidor é cada vez mais multicanal. Ou seja, seu público e clientes estão em vários canais de comunicação digital, buscam informações sobre o que querem comprar em todos eles e também procuram lojas físicas para tomar sua decisão de compra.

Quando falamos em estratégias de venda omnichannel, é a experiência do seu cliente que está em pauta. O caráter multicanal dessa estratégia tem o objetivo de proporcionar uma experiência de consumo completa.

Em termos práticos, estamos falando de presença, visibilidade e atendimento. Uma estratégia de venda multicanal oferece facilidades ao consumidor: sua marca está presente em diferentes canais (físicos e digitais), é vista nesses canais e oferece um atendimento de qualidade por meio de todos eles.

É claro que a visibilidade do seu negócio será proporcional a seu porte. Não é necessário, e nem possível, que sua empresa esteja presente e ativa em todas as redes sociais, canais de venda online, além dos espaços físicos.

Por isso, entender como seu público se comporta é fundamental. Além de conhecer bem seu negócio, seu produto e as possibilidades de investimento que você tem. Assim, você consegue traçar estratégias mais assertivas.

Como aplicar a estratégia multicanal?

A reabertura do comércio coloca no centro a necessidade de manter uma estratégia de venda tradicional aliada ao comércio digital. Empreendedores que dependiam de sua loja física tiveram seus negócios extremamente prejudicados. Muitos lojistas buscaram às pressas a digitalização e aprenderam a vender pela internet em tempo recorde para salvar seu negócio. Já os empreendedores que nasceram no digital, tiveram uma experiência completamente diferente.

Mas e agora? Bom, se antes de 2020, a adaptação ao mundo virtual era uma possibilidade, agora é uma necessidade. Especialistas no varejo acreditam que essa digitalização em massa é um caminho sem volta.

Fique atento a três dicas essenciais de como você, que começou a vender online na quarentena, deve aplicar uma estratégia omnichannel:

1. Planeje a reabertura da sua loja física

Leve à sério as recomendações de higiene e segurança. Lembre-se de que a experiência do cliente é importante em todos os aspectos.

Se necessário, reestruture sua loja de acordo com os novos hábitos que todos nós adquirimos nesse tempo. Abra espaços para que as pessoas possam ficar afastadas, ofereça formas inovadoras de testar os produtos e dê preferência a meios de pagamento sem contato.

2. Não abandone sua operação digital

Se suas vendas acontecem majoritariamente na loja física, você naturalmente deve gastar mais tempo e dinheiro nessa frente. Mas mantenha parte dos seus investimentos nas vendas online e procure atender seus clientes por todos os canais onde seu negócio está presente.

Você provavelmente ganhou novos clientes só porque começou uma operação digital. Isso significa que você vai perdê-los se abandonar seu comércio online. Cuide dessa frente para que o seu negócio acompanhe as tendências do consumidor e do mundo.

3. Faça investimentos a longo prazo

Com a reabertura do comércio e o provável aumento nas vendas, você não vai precisar vender pela internet como solução de emergência.

Assim, trace um plano estratégico para melhorar a experiência dos seus clientes no mundo digital: reveja seu modelo de negócio, os meios de pagamento que você oferece, avalie a logística e a entrega dos produtos e repense o atendimento ao cliente.

Informe-se ainda mais sobre marketing e estratégias de venda na internet, busque aprimorar o relacionamento com os clientes pelo WhatsApp Business e pelo Instagram e alimente seus canais digitais com frequência e concistência.

Por fim, lembre-se de que para o consumidor atual, não há distinção entre loja física, virtual, redes sociais, televendas etc. O que conta é a experiência e o relacionamento que ele estabelece com a sua marca (em qualquer ambiente). Invista na presença, na visibilidade e no atendimento do seu negócio.

Boas vendas!

O comportamento do consumidor na era digital e porquê digitalizar sua loja

Nesse momento tão delicado que estamos vivendo, a digitalização deixa de ser uma atualização de negócio e aparece como uma necessidade. Para muitos, vender pela internet é, agora, uma solução emergencial e provisória para lidar com a baixa nas vendas e manter o negócio em atividade até que as coisas voltem ao normal.

Mas esse esforço por uma rápida digitalização deve ser apenas o primeiro passo para uma transformação digital mais completa, afinal, o comportamento do consumidor é cada vez mais digital e multicanal. Vamos ajudar você a entender mais sobre a jornada de compra desse consumidor para que você tenha insights de como e por que o seu negócio deve digitalizar.

O consumidor digital

Os dados de uma pesquisa do Google sobre o comportamento do consumidor mostram como a internet tem transformado a forma como as pessoas tomam suas decisões de compra.

A pesquisa deixa claro que a grande tendência do consumidor atual é traçar uma jornada de compra omnichannel. Isso significa que seus clientes estão em vários canais de comunicação digital e buscam informações sobre o que querem comprar em todos eles.

Por isso, a presença do seu negócio em diferentes canais digitais é tão importante. É claro que isso será proporcional ao porte do seu negócio. Não é necessário, e nem possível, que sua empresa esteja presente e ativa em todas as redes sociais e canais de comunicação online. O importante é que você saiba quem é o seu público, como ele se comporta e em quais canais ele busca informações sobre o serviço ou produto que você oferece. Assim, você consegue traçar estratégias de comunicação concentradas e mais assertivas.

A interação entre o digital e o físico

Outra informação interessante sobre esse comportamento de compra é a interação entre o online e o offline. De acordo com o Google, 83% dos entrevistados que visitaram uma loja na semana anterior à pesquisa, fizeram uma busca online sobre o produto desejado. Ou seja, mesmo quem compra em lojas físicas, usa os canais digitais para decidir sobre sua compra. Então, mesmo que seu principal canal de venda seja um estabelecimento, é importante que seu produto e sua marca estejam na internet de alguma forma.

 

Loja Samsung
Inauguração da Samsung Experience Store em Nova Iorque. Foto: Site Samsung US

 

Uma loja da Samsung é um ótimo exemplo dessa interação online e offline. A loja oficial da marca funciona como uma vitrine no produto. O consumidor que deseja comprar um celular vai até a loja e fica por mais de uma hora testando cada modelo, comparando tamanho, toque, peso etc. Depois de se decidir ele sai da loja e faz a compra pela internet.

Esse comportamento já não é novidade e é interessante notar a importância dos dois canais, físico e digital. De fato, o cliente não finalizou a compra na loja, mas a experiência que teve foi fundamental para sua decisão.

A facilidade de encontrar na internet o que se procura é outro fator que coloca a venda online na frente. Na pesquisa do Google, 66% dos entrevistados disseram que preferem fazer compras online porque, assim, encontram com facilidade os itens que procuram.

Além da facilidade de encontrar os produtos desejados, a internet oferece um benefício que 59% dos entrevistados apreciam: recomendações úteis e sugestões sobre o que comprar. Comentários, resenhas, críticas e opiniões sobre produtos são buscas frequentes na internet.

Um outra pesquisa¹ afirmou que 85% dos consumidores analisam, com frequência, avaliações de outras pessoas na internet antes de realizar uma compra. Ter depoimentos positivos sobre seus produtos em alguma rede social pode fazer toda a diferença.

Digitalizar o seu negócio não significa sumir do mundo físico

Por fim, queremos propor uma analogia: pense nas pizzarias da sua cidade. Existem algumas que não fazem entregas, você precisa ir até lá se quiser comer. Outras, atendem apenas por delivery. Mas há pizzarias que oferecem as duas opções aos clientes.

O mesmo se aplica quando falamos de digitalização. O objetivo de todo esse processo não é acabar com sua loja física! O digital pode ser apenas uma extensão do seu negócio. Assim como uma pizzaria pode conquistar novos clientes oferecendo a opção de delivery, você pode descobrir novas oportunidades ao colocar o seu negócio no mundo da internet. Como observamos nas pesquisas citadas, os dois universos estão sempre conectados: o que você faz no digital tem impactos no físico e vice e versa, assim, um complementa o outro para que a sua empresa gere cada vez mais e melhores resultados!

Entender como as pessoas compram é fundamental para traçar as estratégias de venda do seu negócio. E estar presente na internet é essencial para a grande maioria dos empreendedores. Por isso, faça desse momento repentino de digitalização uma transformação de longo prazo que traga bons e novos resultados para o seu negócio!

Como vender pelo Instagram: três estratégias básicas

O Instagram foi criado em 2010 e dois anos depois foi comprado pelo Facebook. Hoje, é a quarta rede social mais usada no Brasil, com 66 milhões de usuários. Ao redor do mundo, o Instagram tem mais de 2 bilhões de usuários.

De acordo com a própria plataforma, 90% das contas seguem pelo menos uma empresa na rede social. Uma pesquisa da Socialbakers, empresa de análise e desempenho de marketing digital, mostrou que apesar de perder para o Facebook em número de usuários, o Instagram é a rede social com maior engajamento, em especial quando se trata de marcas. Isso significa que seu negócio pode encontrar no Instagram mais oportunidades de geração de valor em termos de escalabilidade e interação com o público.

Mas, para que isso aconteça e você comece a vender por meio do Instagram, algumas estratégias básicas são indispensáveis. E, para que elas funcionem, seu negócio precisa de uma conta comercial. Para entender como criar sua conta profissional e ver estratégias de venda no Instagram, continue lendo!

Como e porquê criar uma conta comercial?

Se você usa as redes sociais para promover e vender produtos ou serviços, criar contas profissionais é indispensável. Isso vale para qualquer plataforma que ofereça essa possibilidade, como o WhatsApp Business.

No caso do Instagram, só com uma conta comercial você têm acesso a dados como impressões, alcance e engajamento das suas publicações, além de análises que mostram quem são seus seguidores (gênero, idade, localização e horário e dias em que mais acessam).

Essas informações são muito importantes para conhecer o público e mantê-lo interessado no que você tem a oferecer, então, se você ainda usa um perfil pessoal para promover seu negócio, é hora de mudar!

O primeiro passo é transformar sua conta pessoal em comercial. Basta acessar o menu que fica no canto superior direito do aplicativo. Em seguida, Configurações, Conta e, finalmente Mudar para conta profissional. A seguir, será necessário vincular sua conta comercial a uma página do Facebook. O aplicativo vai dar a opção de criar uma nova página, caso você ainda não tenha. Se você já tem uma fanpage, o Instagram vai pedir que você confirme a vinculação. Por fim, você vai precisar confirmar o endereço de e-mail que deve ser associado a sua nova conta comercial do Instagram. Com sua fanpage e conta comercial do Instagram associadas, as informações básicas do seu negócio vão ser automaticamente preenchidas na hora da criação da conta. Mas você deve conferir e editar caso seja necessário. Capriche na foto de perfil, usando o logo da sua empresa ou uma boa foto de produto. Na descrição, a famosa bio do Instagram, ofereça informações básicas: o nome da empresa e o que ela oferece. Caso você tenha um site, acrescente também.

Três estratégias para vender pelo Instagram

O Instagram do seu negócio pode ser um dos primeiros contatos do seu público com o serviço ou produto que você oferece. Por isso, é muito importante investir tempo, pessoal e recursos nessa plataforma.

Para traçar estratégias inteligentes no Instagram, vamos partir de pilares básicos. Um Instagram comercial precisa ser: um canal de informação, uma vitrine de produtos, um meio de interação com o público e um canal de vendas. Com essas características em mente, veja como aplicar estratégias práticas no seu Instagram comercial.

1. Publique conteúdo relevante

Pesquisas sobre o comportamento do consumidor digital afirmam que usuários da internet procuram informações sobre serviços e produtos desejados em vários canais de comunicação, inclusive nas redes sociais.

Pensando nisso, seu Instagram comercial deve oferecer informações relevantes sobre seu produto, serviço, segmento e curiosidades associadas ao seu negócio. Divulgar apenas o produto não é suficiente, os consumidores estão em busca de conhecimento a respeito do que querem comprar.

Assim, se você é um professor de pilates, por exemplo, além de falar sobre valores e horários de aula disponíveis, você deve fazer publicações sobre seu método de trabalho, os benefícios da atividade física, as particularidades do pilates etc.

O mesmo se aplica para uma pequena empresa de confeitaria, por exemplo. Se você vende bolos de aniversário pela internet, pode falar sobre a matéria prima que utiliza, mostrar o processo de criação de um bolo, explicar porque algumas frutas combinam com chocolate e outras não, sugerir cardápio para festas infantis e por aí vai.

Assim, você cativa novos seguidores pelo conteúdo que publica, mostra o quanto entende daquele segmento ou produto e ganha a confiança de possíveis clientes.

2. Apresente seus produtos

Além de um bom canal de informações e conteúdos relacionados ao seu negócio, seu Instagram precisa ser uma vitrine virtual. É muito importante que os usuários da rede social encontrem com facilidade exemplares do produto que você vende ou demonstrações do serviço que você oferece.

Por isso, capriche nas imagens! Não é necessário ter uma câmera profissional ou ser um fotógrafo. Com um bom celular, iluminação e um cenário clean, você consegue ótimas fotos e vídeos.

Vamos voltar aos nossos exemplos. Use os recursos de filmagem rápida (hyperlapse) para registrar uma sequência de exercícios de pilates no seu estúdio ou o todo o processo de confecção de um bolo de aniversário. Fotografe clientes satisfeitos, produtos encomendados e cada exemplar feito, assim você terá um catálogo de produtos no seu Instagram.

3. Interaja com seus seguidores

Não é a toa que se chama rede social. O Instagram oferece vários recursos para interação entre os usuários da plataforma e empresas devem usar isso a seu favor. Publique fotos em carrossel, vídeos de boa qualidade, use o recurso de enquete nas histórias, fomente a interação nas legendas, faça sorteios de produtos.

As análises disponibilizadas pela plataforma podem ajudar você a construir um bom relacionamento com seu público. Verifique como é a maioria dos seus seguidores e desenvolva uma abordagem que tenha a ver com esse perfil.

Outro ponto importante na hora de interagir com seus seguidores é responder dúvidas. Verifique frequentemente a caixa de mensagens diretas e os comentários nas suas publicações. Se algum seguidor tem dúvidas sobre o serviço ou produto, responda o quanto antes com carisma e objetividade.